Menu

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Insurgente... Não! - Crítica do Filme


Para quem não leu o livro de Veronica Roth, Insurgente está fantástico, com ótimos efeitos visuais, um roteiro bem feito e boas atuações. Mas as coisas boas terminam por aí...
Se você for assistir e estiver esperando alguma coisa parecida com o livro, pode esquecer. Vá assistir outra coisa!
O filme já começa com os guardas da Erudição (ajudantes da Jeanine) à procura da tal caixa, apresentada nos trailers... Mas o que é essa caixa, que nem nos livros aparecem?
Ela é uma caixa que, ao abri-lá, mostrará uma mensagem dizendo que deve-se acabar com os Divergentes.
E por causa dela a história foi toda mudada para ter somente o nome do livro. Triste isso!
Tris e Quatro agora são fugitivos de Jeanine. Juntos com eles, estão Caleb e Peter, ambos "traidores".
Neste filme, já mostra melhor as outras facções, como Franqueza, Amizade (principalmente) e Erudição. E nisso eles se saíram bem, foram bem produzidos e estavam bem bonitos.
Enquanto estava procurando outras críticas para ver o que o pessoal tinha achado, li alguns falarem da ótima atuação da Octavia Spencer e da Naomi Watts. Não acho que elas foram ruins em suas representações, mas pelo tão pouco que ambas apareceram (principalmente a Octavia), não acho que foram tão melhores que os outros.
Já é diferente do caso da Kate Winslet, que foi brilhante e não minimizou sua carreira... Só acrescentou.
E os outros atores? O Theo James como Quatro/Tobias estava ótimo - e lindo! Ele já tinha ido bem no primeiro e com um pouco mais de experiência a seu favor, ele conseguiu interpretar direitinho. Já a Shailene como Tris ainda não conseguiu mostrar sua habilidade em tirar a personagem do papel para as telas. Falta aquele "Tris revoltada" que vemos nos livros. No filme até parece que ela é super bobinha e etc. Falta mais! Um ator que eu achei interessante de citar foi o Miles Teller (Peter)... Achei ótima a sua interpretação. Ele conseguiu usar o humor a seu favor. Nos momentos de mais tensão, ele ia lá e fazia alguma piadinha, mas sem estragar o momento.
Conseguindo igualar tudo.
Vamos ao que achei que faltou considerando história como um todo.
No filme parece que o namoro do Quatro com a Tris é tudo perfeito, que ele aceita todas as escolhas dela. Não! No livro eles vivem brigando, tanto que cada um vai para um lado num certo momento.
Outro ponto foi a mãe do Quatro. Não tinha nada a ver com a Evelyn dos livros. No filme ela fica super bem com a Tris e não tem quase nenhum problema com seu filho. Cadê toda aquela raiva e revolta?
Já finalizando: aquele final foi difícil de aturar. Com o que os produtores fizeram, não sei mais como eles vão continuar com a história de Convergente, não tem como.
E por último, o que foi aquele suposto 3D? Mais uma vez ele aparece somente para tirar mais do nosso dinheiro. Mas já que vão tirar mesmo, porque o filme NÃO foi produzido em 2D, então que fizessem direito...
Percebe-se que a única palavra que resume esse filme, infelizmente é: NÃO!
Agora é ver a próxima tragédia que será Convergente - Parte 1...

Até a próxima e bom filme (se conseguir).
Carol!

Nenhum comentário:

Postar um comentário