Menu

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Resenha: Horror na Colina de Darrington - #OlharNosNacionais


"...Já não sei mais o que é pesadelo e o que é realidade. Não consigo mais distinguir os dois. Mas foi terrível. Terrível."

O livro escolhido por mim para Outubro foi "O Horror na Colina de Darrington", do Marcus Barcelos, Editora Faro. Um livro de terror sobre fantasmas para combinar com o mês.
Antes de falar sobre a história e sobre o que achei, preciso comentar essa edição MARAVILHOSA da Faro. Capa linda, folhas pretas, ilustrações no meio, folhas grossas, revisão excelente, sem erros. A editora está de parabéns!
Agora sobre o enredo. Acompanhamos Benjamin Simons entre memórias do passado e presente. As lembranças são de 2004, quando Ben deixa o orfanato onde mora desde que se conhece como gente, e se muda para o casarão da colina de Darrington para ajudar os seus tios a cuidar de sua prima Carla, de cinco anos, pois sua tia está de cama e seu tio trabalha o dia inteiro.
Durante uma noite, Ben acorda no meio da madrugada para beber água, no corredor ele encontra sua prima sentada conversando e brincando com alguém. Ao perguntar o que ela está fazendo, Carlinha (como o nosso protagonista a chama) responde que está imitando a moça das tranças. Porém, não há ninguém ali. Mas ela insiste que há uma moça de tranças na viga do teto e fazendo caras engraçadas. Por estar meio sonolento, ele não dá muito atenção e passa reto em direção à cozinha. Mas algo que ela fala chama sua atenção!

"- Mas as tranças da moça estão enroladas no pescoço dela... 

Eu me virei para ela, que apontou de novo, bem acima de mim.
- A moça está pendurada pelas tranças no pescoço dela... Ela está balançando. - E a Carlinha voltou a rir. - Balançando e fazendo caras engraçadas. - E mais uma vez imitou as caretas."

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Resenha: Verdades do Submundo


" - Exato, quando entendi que sob o comando de Deus as pessoas não teriam liberdade e seriam obrigadas a viver sob uma ditadura divina, resolvi fazer de minha missão oferecer aos humanos uma saída. Ao contrário do que o mundo acredita, a liberdade, a felicidade e a prosperidade são obras minhas, e não feitos de meu pai. Deus é o ditador, eu sou o livre-arbítrio."

O meu primeiro contato com o e-book "Verdades do Submundo" foi através da autora, Cacau Correa. O livro do selo Harpia, da Editora Hope, não é um livro que vai agradar a todos. Eu, particularmente, adorei! Mas é um livro extremamente questionador e autêntico. Acreditei, desde o começo, que a história poderia tomar outros rumos, mas é incrível a coragem que a Cacau teve de manter a história.
Achei genial o ponto de vista de Lúcifer da criação do mundo. As dúvidas discutidas no livro e colocadas em xeque são pertinentes, muitas vezes fazem todo sentido, mas como disse lá em cima, não vai agradar muita gente, principalmente os muitos religiosos.
Temos aqui a história de Jonas, um cara comum como nós, desacreditado por seus pais - muito religiosos - e seu encontro, proposital, com Lúcifer, um anjo autêntico que precisa de Jonas para contar a sua versão da história para a humanidade.
Entre idas e vindas ao inferno, diálogos correntes e filosóficos, Cacau dá luz a uma história que só Lúcifer sabe, porque nunca foi dado voz a sua versão. A Bíblia, segundo ele, só nos conta a visão dos fatos pelo ponto de vista de Deus.
A ideia é genial. Gostei demais da história, faz todo sentido a reflexão que ele nos conta. Ninguém fala de si mesmo expondo o seu pior lado. O que contamos, só nos favorece. E essa é a ideia que temos aqui: a visão que a Bíblia nos conta em contraponto com a visão do seu maior opositor - Lúcifer.
Se você, como eu, é uma pessoa questionadora, de mente aberta, vai gostar demais da história. Os diálogos são muito bem construídos, chegam a ser filosóficos. A história desenrola rapidamente, não deixa brechas e é corajosamente sustentada até o final.
Um dos poucos livros que recomendo muito! Vale a pena a reflexão.
Li o livro em e-book, mas o livro físico já está em pré-venda. Para comprar o e-book, segue o link e para quem quiser a edição física, só é possível comprar pela loja da editora. Segue o link.

Seguem as redes sociais da autora: Facebook (@escritora.cacaucorrea), Instagram (@cacaucorrea.escritora), Youtube (Cacau Correa) e Skoob.

Cláu Trigo!

sábado, 1 de dezembro de 2018

Resenha ABERST: Nihil

"Não sou a única. Não posso ser. Se ouço gritos, não posso mesmo ser a única."

Esse mês recebemos mais um livro do sorteio de parceria com a ABERST. O livro da vez foi "Nihil", da minha xará Carolina Mancini (Ed. Estronho).
Antes de falar o que achei e sobre o que é o enredo, preciso dizer que não conhecia o livro nem a autora, e achei a sinopse, no mínimo, estranha e curiosa.
A história vai passar em um mundo pós-apocalipse (pode ser chamado assim? Me ajuda Carol!!!). Não sabemos exatamente aonde a história se passa, mas uma neblina dominou todos os países. Não se sabe como ela surgiu ou o porquê. Seria a natureza agindo? Um ataque terrorista? Um experimento científico? Uma intervenção alienígena? Ninguém sabe.

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Resenha: Estrela da Manhã - #OlharNosNacionais


"Seu pai tinha partido muitos anos antes, deixando aquele gosto ruim no céu da boca do seu quarto. Por muitas noites antes de dormir tinha a impressão de que seu pai apareceria na porta para lhe dar um beijo de boa noite. A mãe vinha e era, de alguma forma, um bálsamo, mas daqueles que demoram para secar as lágrimas e cicatrizar as feridas perseverantes. Tinha toda a confusão com Beto e os pedidos para mãe. Então foi crescendo e cresceu também a distância entre eles três. Rafael não sabia naquela época e nem agora que às vezes a distância chega e ela é, como Estrela da Manhã, um tipo de demônio que vai se infiltrando na família devagarzinho, de forma bastante silenciosa."

O livro escolhido por mim para o nosso desafio Olhar Nos Nacionais, do mês de Setembro foi "Estrela da Manhã" do André Vianco (Ed. Giz - Selo Calíope).
Eu sempre ouvia os leitores falando muito bem dos livros do André Vianco, mas eu nunca tinha lido nada dele. Sei que os livros mais conhecidos do autor são os sobre vampiros, mas como não curto muito esses tipos de história, fiquei bem interessada nesse aqui, que irá falar de demônios - então já sabem, é a minha cara!
Aqui, acompanharemos a vida de Rafael, um garoto de 12 anos que sofre terríveis perseguições de um grupo de valentões da escola no qual estuda. E quando digo terríveis, vocês não imaginam... Só de ler o que ele passava, eu já ficava irritada e saber que muitas crianças passam por isso, só me deixa ainda mais brava. E o pior não são nem as crianças, mas os pais delas, a família do nosso protagonista, os professores, a diretora - todos têm atitudes desprezíveis e fazia tempo que não ficava tão irritada com algum personagem como aconteceu nesse livro.
Como os professores e a direção não fazem nada, e em casa ele não encontra nenhum apoio da mãe nem do irmão mais velho, Rafael vai buscar respostas na internet. Procurando alguma solução, ele entra em sites de rituais para tentar entrar em contato com o seu pai já falecido, pois ele tem certeza que ele é o único que vai defende-lo.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Desafio 2019 - Mulheres em Foco



















Vamos iniciar 2019 pilhadas. Passamos por um momento delicado no país, onde, nós mulheres, ganhamos voz e visibilidade.
Apostando nesse momento e na confiança adquirida, vamos também investir nossas fichas nesse quadro atual que também fizemos parte.
Não precisamos "dar voz" a essas mulheres, já que conquistaram isso por mérito. Na verdade, só vamos enfatizar ainda mais os seus devidos talentos.
2019 seremos "o Olhar" e as vozes dessas mulheres. Seremos críticas, apoiadoras e mais, seremos "elas" por um momento.
Querem fazer parte desse exército do "sexo frágil" com a gente? Então vem... #MulheresEmFoco

Segue abaixo a lista dos livros que vamos ler, separado por mês e com os nossos links para Amazon, para quem quiser ler com a gente ou ficou interessado no livro.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Resenha Atrasada: Aos 7 e Aos 40 - #OlharNosNacionais


"De volta para casa, o ônibus estava silencioso, os meninos maiores sem nada para comemorar. No embalo do motor, de repente, não sei porquê, me lembrei forte, muito forte, da prima Teresa. Ela, na minha memória, com seu sorriso. Então, livre da sua ausência, eu fiquei pensando que, às vezes, é preciso mesmo olhar pra trás se queremos ir em frente."

 "Aos 7 e Aos 40", primeiro romance do paulista João Anzanello Carrascoza, da extinta editora Cosac Naify. É uma obra única, de grande beleza e sensibilidade.
A história nos é apresentada em dois tempos - aos 7 e aos 40 anos - onde o autor vai narrando a vida do protagonista com recordes do seu cotidiano intercaladamente.
A infância do menino é narrado na parte superior da página, e a narração da fase adulta contada na parte de baixo. Nossos protagonistas não são nomeados. O foco são suas histórias e não suas pessoas.
O autor vai contando, com muita poesia, o que o nosso protagonista vive na infância e o que refletiu, direta ou indiretamente, nos dias atuais.
Suas histórias me remetem demais a minha infância no interior, é fácil de compreender as suas histórias e compara-las com as minhas. Quem viveu isso, entende o que eu estou falando.
A criança de ontem e o adulto que o nosso protagonista se tornou é o viés de toda a história. Todo ir e vir sempre é remodelado com um gancho que encaixa a história de antes com o momento presente. "Aos 7 e Aos 40" nos leva para uma viagem deliciosa, nos esbarramos com histórias tristes, engraçadas, reflexivas.
Um livro rápido e inspirador.

Cláu Trigo!

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Resenha - A Mulher Enjaulada (Série: Departamento Q - Livro 1)


"Ela sabia que um dia acabaria enlouquecendo. E essa seria a maneira de se libertar dos pensamentos sombrios que povoavam a sua cabeça e contra os quais tratava uma dura batalha. No entanto, ainda não se sentia preparada para essa realidade inevitável."

A primeira vez que tive contato com algum livro do Jussi Adler-Olsen (e não com a sua escrita), foi quando ganhei de aniversário o seu livro "A Caça", que só fui descobrir bem depois que era o segundo livro de uma série policial.
Porém, depois de um tempo, esqueci dele e só fui lembrar tempos mais tarde, quando assisti ao filme "Departamento Q: O Guardião das Causas Perdidas", que na época nem sabia que era uma adaptação. Fui pesquisar sobre o filme e descobri que era a adaptação desse livro, "A Mulher Enjaulada", Editora Record, e por ter gostado tanto do filme, decidi colocar tanto esse quanto a sequência nas minhas leituras do ano.
Esse já foi lido e espero que consiga ler o segundo ainda esse ano, mesmo estando super enrolada!
Aqui temos o detetive Carl Mørck, que acaba de voltar de um incidente policial que resultou na morte de um dos seus companheiros e deixou o outro paraplégico no hospital, sendo o único ileso. Por ainda estar traumatizado e não ser bem aceito pelo resto da equipe policial, ele é colocado no Departamento Q, uma nova seção responsável em abrir casos antigos que não foram resolvidos. E o primeiro caso que ele pega é do desaparecimento de Merete Lynggaard, uma mulher bonita e que some no auge da sua carreira política.
Acompanhado de seu parceiro, Assad, Carl terá que descobrir o que aconteceu finalmente com ela. Foi raptada? Foi homicídio? Suicídio? Entre provas desaparecidas, problemas políticos e diversos caminhos, o detetive descobrirá que os acontecimentos do nosso passado um dia afetarão o nosso futuro.