Menu

domingo, 12 de agosto de 2018

Bienal 2018 + Novidades: Instagram | Amazon


Novamente, fomos na Bienal de São Paulo desse ano, 2018. Optamos pelo segundo sábado, dia 11, mais conhecido como ontem, rsrs. Parece que a cada Bienal que vamos, voltamos mais cansadas, mas todo esse cansaço vale muito.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Resenha Atrasada - Os 13 Porquês


"Naquele exato momento, dentro da secretária, ao me conscientizar de que ninguém sabia a verdade a respeito da minha vida, meus pensamentos sobre o mundo ficaram abalados.
Como se estivessem dirigindo por uma estrada acidentada e perdendo o controle do volante, sendo jogada - só um pouquinho - para fora da pista. As rodas levantam poeira, mas você consegue puxar o carro de volta. Mesmo assim, não importa que esteja segurando bem firme no volante, não importa o quão esteja se esforçando para me tentar guiar em linha reta, algo fica empurrando você para o lado. Você já não tem quase mais nenhum controle sobre nada. E, a certa altura, a luta se torna excessiva - cansativa demais - e você considera a possibilidade de largar tudo. De deixar acontecer uma tragédia... ou seja lá o que for."

"Os 13 Porquês", de Jay Asher, Ed. Ática, foi uma navio à deriva em minha vida. Capa linda! História BEM ok!!!
Você ouve tantos elogios, tanto marketing à respeito, e depois das primeiras páginas se vê rolando ladeira abaixo. É tudo uma montanha-russa de altos e baixos.
A história de uma garota que se matou e deixou gravada em 13 fitas cassetes para 13 pessoas que "supostamente" teriam relação com seu suicídio foi, no mínimo, assustador.
O que a levou ao fim foi muito maior que o bullying sofrido, estamos falando de uma mente doente, deprimida, que precisava de socorro e não foi atendida.
A ideia do olhar mais sensível sobre uma doença que vem sendo o grande mal do século é sem dúvida, elogiável, mas precisamos muito mais do que uma simples atenção, é preciso ajuda - e rápido!

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Balanço do Primeiro Semestre


Passamos mais um semestre com um saldo para lá de positivo!
Por quê?
Porque conseguimos ler muita coisa boa que desconhecíamos, e melhor, como tem escritor bom nessa nossa 'terrinha', gente com muito talento e imaginação...
Estamos bem felizes pela escolha do desafio desse ano - Literatura Brasileira -, garimpamos muita gente boa em nossas estantes, e gostaríamos muito de compartilhar com vocês essa alegria.
Então, aqui vai o nosso balanço de leitura desse semestre. São gráficos com as Editoras, gêneros, nacionalidade e se lemos mais autores ou autoras...
Os títulos não estarão nesse post porque preferíamos focar em dados informativos, até como uma forma de saber o que esteve mais em alta em nossas leituras nesse semestre.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Resenha ABERST: Febre Vermelha


"O juiz e carrasco não fez distinção entre mandante e comandado. Uma bala para cada um, sem jurisprudência, atenuantes ou direito a defesa."


Primeira resenha da nossa parceria com a ABERST (Associação Brasileira de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror). E o livro sorteado para lermos foi "Febre Vermelha", do Francis Graciotto, Editora Máquina de Escrever.
Aqui, teremos uma história sobre zumbis e, normalmente, não sou uma das maiores fãs de histórias desse gênero, mas como comentei com o Francis - que inclusive foi super atencioso comigo, respondendo todas as minhas perguntas e tudo o mais - acabei gostando demais da história e isso se deve a diversos motivos.
Uma epidemia começa a surgir no litoral paulista, mais especificamente em Santos. Os infectados ficam com os olhos vermelhos (que nem os da capa, que por sinal, é linda!), uma febre muito alta e uma fome insaciável - uma fome que não é de comida e sim, de outra coisa que vocês já podem imaginar. Junto com essa fome, os infectados tornam-se extremamente violentos e as autoridades não conseguem lidar com o caos que surge no Estado de São Paulo.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Resenha: Feita de Letra e Música - #OlharNosNacionais


"Vou te dizer uma coisa: se eu fosse princesa, nunca iria usar vestido. E, se fosse usar, iria ser daqueles que nem chamam atenção. O resto do tempo seria jeans e as camisetas das minhas séries favoritas, porque esse negócio de vestido repolhudo é de dar medo. E agonia. E uma fúria irracional."

O outro livro de Junho para o nosso desafio Olhar Nos Nacionais, foi "Feita de Letra e Música", Editora Matrix, da Adrielli Almeida, e acabei me lembrando que tinha um marcador do livro autografado por ela quando estava escolhendo qual eu iria usar durante a leitura.
A história é bem simples, sem nada muito inovador, mas a escrita da Adrielli, junto com a construção dos personagens, deixa a leitura muito gostosa e fluída.
Aqui, iremos acompanhar o dia-a-dia de Lívia Bonjardim, uma jovem normal, como eu e você. Ela tem um blog chamado Believe, onde ela escreve seus problemas de garotas, como namoro, colégio, bem-estar, família, etc.
A única diferença maior é que ela escreve anonimadamente para milhares de jovens, que lêem o blog para discutirem seus problemas.
Além de escrever para o blog, no mesmo caderno que estão todos os textos rascunhados há também letras de música, que ninguém sabe que ela escreve.
Durante uma festa de aniversário da sua meia-irmã, Lívia perde o seu caderno e espera que alguém encontre, torcendo para que não seja ninguém do colégio.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Resenha: Querido Jaime - #OlharNosNacionais


"Engoliu seu café fazendo força, enfiando tudo goela abaixo com bolacha de maisena. "Aqui tem tudo!". Como foram duros aqueles momentos que antecederam a sua necessária partida. A casa o oprimia, mas o pensamento de enfrentar o mundo o oprimia mais. Ele não gostava de sair."

Comprei esse livro dois anos atrás, enquanto estava passeando na Paulista. Para quem não sabe, o Eduardo vendia os seus livros na Avenida Paulista, junto com os camelôs e artesãos. Até recentemente ele vivia da venda dos exemplares de "Querido Jaime".
Já conhecia o trabalho do Eduardo por causa do Facebook e dos diversos grupos literários que participo, e aproveitei a oportunidade de encontrá-lo e, como uma boa leitora compulsiva, não me aguentei e tive que comprar. O Eduardo foi super simpático - além de que a sua assinatura é a melhor!
Aqui em "Querido Jaime", acompanhamos a rotina do solitário Jaime, um senhor de 72 anos que se sente oprimido dentro da sua própria casa. No dia em que vai pegar a sua aposentadoria, enquanto está voltando para casa, um grupo de jovens tenta roubá-lo e na ação, além de perder  todo o dinheiro que ele tinha, ele bate a cabeça e desmaia.
Ao acordar, ele dá de cara com um morador de rua que está tentando ajudá-lo, mas como Jaime está um pouco confuso, ele tenta atacá-lo e acaba fugindo. 

terça-feira, 3 de julho de 2018

Resenha Atrasada - Coraline


"Coraline despertou com o sol do meio da manhã em cheio sobre o seu rosto.
Por alguns momentos, sentiu-se totalmente deslocada. Não sabia aonde se encontrava, nem estava totalmente certa de quem era. É surpreendente o quanto do que somos depende da cama onde acordamos pela manhã, e é surpreendente o quanto isso é frágil."

"Coraline", de Neil Gaiman, Ed. Rocco, é com certeza um dos melhores infanto-juvenis que já li. Juvenil nem tanto assim. É um livro para crianças, com muitas fantasias; e um livro adulto, com muitas referências entre linhas e aberta a uma bela discussão psicanalítica. Freud ia gostar.
Coraline é feita de magia, de inconsciente, de interrogações. Freud ia adorar conhecer essa menininha de imaginação fértil e de questionamentos para serem resolvidos.
Ela é uma criança curiosa que acaba de se mudar para uma casa cheia de janelas e portas, mas existe uma unica porta que abre para uma parede de tijolos ou para um corredor escuro e gelado, conforme a hora e a ocasião. Do lado de lá dessa porta, existe um outro pai e uma outra mãe, uma casa igual a sua e com pais bem mais legais que o dela. Do lado de lá a comida é mais gostosa do que ela sempre come e o seu quarto é bem mais bonito.
Mas como tudo que é bom, tem sempre um "se", a coisas acabam se complicando com o desenrolar da história.
Um mundo envolto em mistérios e fantasias lhe é apresentado, e só ela pode decidir o que é mais importante e prioridade para a sua vida. E uma decisão errada pode ser devastadora para uma menina que está à procura de aventurar e surpresas.
Li o livro e assisti o filme, e ambos são envolventes e nos prendem do início ao fim. É surpreendente como buscamos as coisas sem pensar nas suas consequências, e depois precisamos sair correndo atrás dos nossos erros para reverter situações inusitadas.
Recomendo para todas as idades. As crianças vão adorar se aventurar com Coraline, e os adultos vão se questionar diante da sedução de situações que podem encantar num primeiro momento, mas que teremos que lidar com suas consequência lá na frente.

Cláu Trigo!