Menu

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Scarpetta e o Post Mortem

"Era desnecessário dar mais detalhes. Assim que tirei o fone do gancho reconheci a voz do sargento Marino e entendi tudo. Creio que já sabia, desde o momento em que o telefone tocou. As pessoas que acreditam em lobisomem temem a lua cheia. Eu sentia pavor do período entre meia-noite e três da manhã, quando a sexta-feira se transforma em sábado e a cidade está inconsciente."

Meu primeiro livro da Patricia Cornwell, "Post Mortem", Editora Paralela, fazia alguns anos que estava parado na estante. Já tinha ouvido inúmeras recomendações dele, mas acabava ficando sempre para depois.
Acabei separando-o para um desafio que começamos no começo de 2015 (Desafio Literário - Skoob), e aqui estamos, na reta final.
"Post Mortem" é um daqueles livros que você começa e fica difícil parar. Ele tem ritmo, tem tensão, tem fim inusitado. Ele é o primeiro da série Scarpetta - já comprei os dois seguintes: "Corpo de Delito" e "Restos Mortais". 
O livro conta a história de um assassino metódico, disciplinado, desumano: mata por prazer. As pistas até ele se perdem pelas ruas.
A dra. Kay Scarpetta, médica-legista, examina as vítimas, mulheres que não podem lhe dizer nada a não ser pelos vestígios que trazem no corpo. E no corpo delas há um brilho produzido por alguma substância química. Ela precisa descobrir logo, se quiser evitar a próxima vítima. E precisa aprender a conviver com o fato de que, apesar de usar em suas autópsias os recursos mais avançados da ciência e da tecnologia, esse aparato se destina a desvendar mentes tão perturbadas quanto impenetráveis.
Em outro plano, precisa ainda lidar com a hipótese de que alguém muito próximo quer destruir sua carreira e está sabotando a investigação dos crimes.
É uma boa história para quem quer ler um thriller complexo, cheio de caminhos sinuosos.
Não deveria ter ficado tanto tempo na minha estante esperando!
Mas agora que foi lido, os outros da coleção NÃO ficarão tanto tempo esperando. CERTEZA!
Se ainda não conhecem, vale a pena. Patricia Cornwell escreve adoravelmente bem, prende, envolve!

Cláu Trigo

2 comentários:

  1. Olá!
    Olha, eu sou uma viciada em ler ritmos assim, Apesar de ler de tudo, porém, gosto muito coisas de suspenses, descobertas, esse lado criminal, policial, eu costumo amar muito esse tipo de livro. Não conhecia ele, porém, fiquei bastante curiosa para ler. Claro, ele vai sim está na minha lista de próximas leituras hahaa.
    Amei seu blog, está de parabéns!
    Sua resenha está ótima!

    http://garotinhaadolescentea.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nunca li porém adorei a resenha, você escreve muito bem! Parabéns blog.
    http://16primaverasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir