Menu

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada - Por que Fizeram Essa História?


Esse texto terá alguns spoilers. Quando houver estará em vermelho, se você ainda não leu e não quer levar, pulem essas partes.

Então, talvez essa resenha tenha quase que somente críticas negativas, e eu fico muito triste de falar isso.
Não sei se todos sabem, mas sou super fã de Harry Potter - sou potterhead para a vida! Já li todos os livros (e pretendo reler ano que vem), já assisti todos os filmes milhares de vezes e em cada canto do meu quarto tem algo de HP. Sério, vocês não fazem ideia do quão fã eu sou...
Quando anunciaram que iam fazer uma peça contando uma história 18 anos depois, eu fiquei histérica. Claro que eu queria mais histórias! Ai foi saindo as notícias, os atores escalados, informações do enredo. A cada nova notícia eu ficava louca.
Mas tinha um problema, eu nunca iria conseguir assistir a peça e não tem como saber se um dia ela virá para o Brasil. Eis então que surge a melhor notícia do mundo. Iriam publicar o livro com o roteiro - pelo menos os resto dos fãs que não moram na Inglaterra poderiam saber o que acontece. Depois disso, não li quase nenhuma notícia, fiquei longe dos spoilers. Decidi que preferia chegar no livro sem nenhuma informação.
Ai teve as críticas super positivas a respeito da peça, críticas já não tão positivas a respeito do livro, o roteiro. Saiu a edição em inglês e a ansiedade aumentava ao ver as pessoas lendo e eu tendo que esperar a edição traduzida. Enfim, no dia 31 de outubro, lançou! Não fui na noite do lançamento, mas no dia seguinte já estava com ele na mão. Não teve jeito, na mesma hora tive que começar a lê-lo, passar na frente de tudo que já estava lendo. Queria tirar minhas próprias conclusões - ver se realmente parecia uma fanfic escrita por fãs e não uma história que a J. K. escreveria.
Li ele muito rápido. Em uma semana já tinha lido e o fato de ser em formato de teatro não me atrapalhou, mesmo nunca tendo lido esse estilo de narrativa. E infelizmente, a grande maioria de informações que eu tinha - de que era mal elaborado, de que não tinha nada a ver com os sete livros, que parece muito com muitas histórias que encontramos ai na internet... Foi real!
Minha decepção apareceu pela primeira vez com algo relacionado a esse mundo fantástico.
A história é fraca, mal construída e não consigo entender com a J. K. aceitou fazer uma coisa dessas. Na peça ao vivo até pode mudar um pouco essa impressão, pode fazer mais sentido. Mas como é quase impossível um dia eu assistir, e só posso ficar com o roteiro, não consigo gostar nem entender.
Os personagens já adultos em muitos momentos tem características que não fazem sentido com o que já lemos nos sete livros anteriores, tomam umas atitudes sem conexão. Quem leu a série, sabe que eles nunca iriam fazer isso ou aquilo.
Além de que o Alvo Severo Potter é um personagem muito chato, ignorante e que não tem nenhum respeito com o pai dele. Ele pode sentir o peso de ser filho de Harry Potter, mas as coisas que ele faz e fala não tem explicação. Outra personagem que não faz sentido é a Rose Weasley: que garota CHATA! Talvez dos personagens novos (os filhos), o único que é gente boa e que parece ter um pouco mais a cabeça aberta é o Scorpius Malfoy. Nunca achei que iria gostar de um Malfoy, rsrs.
Vou falar de algumas situações no livro que são grandes spoilers, então se você não leu, pulem essa parte:

Primeiro, vamos falar do murmurinho que anda rolando em Hogwarts - que Scorpius Malfoy é filho de Voldemort! Os alunos criarem isso, até dá para entender, mas o roteiro levar até o final mais ou menos que isso pode ser verdade é ridículo. A história é a seguinte, Draco Malfoy não poderia ter filhos, então para não acabar com a linhagem dos Malfoy, ele teria feito sua esposa, Astoria, voltar no tempo para ter um filho com Voldemort. Não, não e não! Vamos começar que, se fosse verdade, ele não seria um Malfoy e sim um Riddle.
Outra parte que não faz sentido: Amos Diggory, pai de Cedrico querer que o Harry volte no tempo para salvar o filho. NÃO!!!! Se a situação fosse simples assim, era só eles votarem no tempo e matar o Tom quando ainda era bebê, ou criança...
Mais um ponto: quando o Alvo com o Scorpius voltam no tempo para tentar salvar o Cedrico, numa das vezes, eles voltam na segunda prova do Torneio Tribruxo para humilha-lo, e por causa disso o Cedrico no futuro vira um Comensal da Morte. Percebem que novamente não faz sentido? Mesmo que isso acontecesse, quem leu os livros e mesmo quem assistiu os filmes, saberia que ele nunca viraria um Comensal da Morte.
E por último e a pior parte - prestem atenção que é horrível e uma verdadeira MERDA (desculpem o palavreado) o plot twist: Delphi Diggory (a principio, no começo) é na verdade FILHA de Lord Voldemort com Belatrix Lestrange! Quem teve essa ideia de bosta? Porque não faz nenhum sentido!

Ufa! Tava já começando a ficar irritada de novo ao lembrar de quanta besteira tem nesse livro. Para quem quiser entender um pouco melhor, vou deixar linkado o vídeo do Renie do Expresso de Hogwarts que ele explica muito bem o que eu senti ao ler isso e as coisas que não fazem sentido. É só clicar aqui.
Acho que vocês perceberam que eu não gostei nadinha desse livro, né? Eu só dei três estrelinhas no Skoob por trazer um pouquinho daquela sensação de estar lendo algo relacionado a esse mundo. Não sei se todos vocês que já leram, sentiram e ficaram do mesmo jeito que eu. Digam ai embaixo se gostaram ou não e o porque, para ver se conseguem mudar um pouco a minha opinião.
E não fiquem irritados por eu ter odiado e falado tão mal desse livro. Sou muito fã dos livros de HP, mundo criado e da J. K., mas não dá. É realmente muito ruim! Por mais fã que sou, tenho que ver e dizer quando alguma coisa é ruim. Mas peço para lerem, para tirarem suas próprias conclusões e depois vocês voltam aqui para comentar o que acharam.
Que decepção foi essa história. Sinceramente, preferia que não existisse essa história. Seria melhor para os fãs.

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário