Menu

domingo, 26 de março de 2017

Ressuscitando os Mortos - A Outra Face - Resenha/Desafio


"O Necrotério Municipal parecia igual a qualquer outro necrotério às três horas da madrugada. A única diferença é que alguém pendurara na porta uma coroa de Natal. Alguém dotado de muito espirito de Natal ou então com um senso de humor macabro, pensou McGreavy".

Sidney Sheldon sempre foi para mim uma incógnita. Lembro que li vários de seus livros na minha adolescência e sempre gostei. Depois outros autores vieram e ele acabou sendo esquecido na minha estante. Até que resolvi ressuscitar "A Outra Face", Editora Record, para tentar entender esse meu desapego. E nem precisou de muitas explicações e conversas "filosóficas". Depois que se lê Jô Nesbo, Stieg Larsson, Patricia Cornwell, fica difícil colocar o velho e bom Sidney Sheldon entre meus favoritos. Acho que ele teve seu auge, hoje vejo-o apenas como um escritor ok.
O livro não é nada demais, com mais uma tipica história clichê e algumas falhas em conceitos psicanalíticos. Mas o que incomoda mais a mim como profissional na área, para outros passarão despercebidos e não é nada tão grave que comprometa. Apenas, e para completar, a história é bem café com leite, leve, sem grandes reviravoltas e meio previsível.
"A Outra Face" é o livro de estréia do autor na literatura, e conta a história de Judd Stevens, um psicanalista bem sucedido que se vê, de repente, imerso numa rede de intrigas que pode lhe custar a liberdade e a vida. Duas pessoas de seu círculo pessoal foram assassinadas e entre os suspeitos estão alguns de seus pacientes. 
O livro ganhou na época de sua publicação o Prêmio Edgar Allan Poe para escritores de mistério e suspense. Um grande prêmio para um escritor que já esteve entre os mais vendidos do mundo. Acho que para a época, valeu. Hoje acho que a literatura policial e de suspense cresceu demais, mas não desmereço todo seu talento no auge de sua escrita. Ele foi grande e inspirou muitos escritores que caíram na estrada influenciados por suas histórias. Isso é louvável para um escritor.

Até mais,
Cláu Trigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário