Menu

sábado, 31 de outubro de 2015

Charlotte Sometimes


"...assim como Júlio está consciente agora, mesmo que não se lembre de como foi parar ali, naquele lugar escuro, úmido e apertado, não o lugar escuro, úmido e apertado dentro do qual ele queria estar naquele momento, mas um lugar envolto em brumas, imagens ligeiramente distorcidas, como se vistas através de um vidro coberto por uma fina camada de condensação, ou através de olhos cansados e pesados de fumo, bebida ou ácido ou quem sabe até as três coisas juntas, não seria impossível, e em todo caso seria provavelmente mais viável que um sonho, enfim, poderia também ser um sonho, mas isso se ele não tivesse certeza de que está tão desperto, coisa que a latinha de cerveja que praticamente congela sua mão não o deixa esquecer e nisso é muito mais eficaz do que qualquer investigação filosófica a respeito da natureza da realidade, ou do que qualquer livro de Philip K. Dick."

Para fechar com chave de ouro o Mês do Terror, nada melhor que um conto da nossa parceira Editora Draco, Charlotte Sometimes, do Fábio Fernandes que foi uma grata surpresa.
Baixei ele gratuitamente no Kobo e tava com um pé atrás por se tratar de um conto de ficção científica, mas me dei bem. Tudo começa mais ou menos assim: homem, uma noite, um bar. Mas, o que ele faz ali? Entre os vapores de gelo seco e as névoas das amnésia, Júlio busca uma resposta para tantas dúvidas que o assombram. Mas ele pode não gostar do que  vai encontrar entre os escombros da sua memória - ou será a memória de outra pessoa?
O conto é uma viagem psicológica, cheio de interrogações, entre linhas, dúvidas.
Cabe aqui muitas incertezas sobre o que é real e o que é fruto de nossa imaginação. Até onde conseguimos enxergar e o que não nos diz respeito. Paranoia?  Sobrenatural? Quem sabe...
Precisa ser lido e relido.
Pra quem quer uma noite estranha, recomendo!
Esse conto faz parte do livro "Contos do Dragão",  uma história de arrepiar!!!

Cláu Trigo

Grande Erro - Carrie, A Estranha


" - Mas quase ninguém descobre que seus atos, na verdade, magoam realmente os outros! Ninguém fica melhor, as pessoas só ficam mais espertas. Quando fica mais esperto, você não pára de arrancar asa de mosca, só imagina um motivo melhor para fazer isso. Muita gente está dizendo que tem pena de Carrie White, as meninas principalmente, e isso é uma piada, mas garanto que nenhuma delas sabe o que é ser Carrie White cada segundo de cada dia. E, no fundo, estão pouco ligando."

Primeira vez que leio o mestre, Stephen King. E, talvez, o meu maior erro tenha sido ler um livro a qual já tinha assistido o filme. Eu já não achava essa história tudo isso, e por isso acabou não sendo "O" livro.
Carrie, A Estranha, do perfeito Stephen King, editora Planeta DeAgostini, é um dos livros mais conhecidos do maior mestre do terror.
Quando comecei a ler já tinha assistido o remake do filme, aquele com a Julianne Moore e a Chloë Grace Moretz.
Creio eu que a maioria já conhece o enredo, mas vou dar uma resumida rápida.
Desde o começo já conhecemos Carrie White, uma adolescente que realmente conhece o inferno. Com uma mãe totalmente louca, pirada, e "colegas" - que nem podemos chamar assim, pois com certeza, eles são uns demônios. Sua vida é uma droga! Como já disse a mãe é uma crente fiel da Bíblia e tem uma cabeça bem fechada.
Por Carrie ser considerada estranha pelos outros, principalmente no colégio, ao ficar menstruada e não saber o que é aquilo, acha que está tendo uma hemorragia, as outras garotas começam a dar gargalhada da cara dela e a jogar absorventes nela. Uma coisa horrível!
A partir disso, a telecinesia começa a aparecer e isso vai "tomando" a cabeça dela. Ela vai ter atos bem maldosos com todos que estão à sua volta.
Consigo entender o porque dela usar o seu poder daquela forma. Ela passou por poucas e boas, e é triste saber que realmente existem casos parecidos na vida real. Porque uma coisa é um livro de ficção, outra é fazerem isso com alguém e achar que está correto.
Todos, sem exceção, não tinham nenhum direito, mesmo com todas as estranhezas que Carrie tinha. Mesmo Sue, que parece estar mudando de pensamento não é tão boazinha assim, pois na hora de jogar os absorventes ela estava lá... Talvez ela seja um pouquinho menos ruim do que os outros, mas boa, nunca.
Porém, não achei tudo isso. Foi como disse no começo do texto. Se fosse um outro livro, no qual não conhecesse a história, com certeza iria gostar mais. Se fosse até O Iluminado, eu com certeza gostaria mais, principalmente porque AMO aquele filme (e sei que o livro é bem diferente)!
Contudo, o filme  de Carrie é idêntico ao livro, e é até difícil algumas vezes separar um do outro na cabeça. Agora só preciso assistir o original, o mais antigo.
Então, pela primeira vez acabei fazendo uma escolha errada, mas isso não muda meu amor pelo Stephen King. Ainda adoro ele e sem dúvidas vou dar uma nova oportunidade para os livros dele.

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

Sorteio: Kit de Terror - ENCERRADO


ANÚNCIO NO FACEBOOK
Para o Mês do Terror, nada melhor do que um super kit com 3 livros para um único ganhador!
Nele vem:
  • 1 livro o Exorcista
  • 1 livro A Volta do Parafuso (Ed. Bilíngue)
  • 1 livro A Estrada da Noite
a Rafflecopter giveaway

Basta seguir todas as regras certinhos.
E boa sorte à todos!

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Uma História Peculiar Para Um Olhar Singular


"Finalmente cheguei a dois aposentos sem paredes inteiras, nos quais havia crescido uma pequena floresta de arbustos e diminutas árvores retorcidas. Parei diante de uma brisa repentina e me perguntei o que poderia ter causado tamanho estrago, e comecei a ter a sensação de que algo horrível acontecera ali. Não conseguia encaixar as histórias idílicas de meu avô naquela casa de pesadelo, nem a ideia de que encontrara refúgio naquele lugar impregnado com a sensação de desastre. Restava mais a explorar, mas de repente aquilo me pareceu perda de tempo. Era impossível que alguém ainda pudesse viver ali, nem mesmo o mais misantropo dos reclusos. Deixei a casa sentido que estava mais longe que nunca de verdade. "

Fiquei de cara, encantada com a capa do livro, "O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares", de Ransom Riggs, Editora Leya. E não tive dúvidas: era urgente que ele se juntasse aos seus novos irmãos em minha estante.
O livro, como o nome, é bastante peculiar, interessante. Tem umas sacadas boas, momentos tensos e outros descontraídos. Não seria o tipo de literatura que teria comprado se a capa não fosse tão bonita. Não sou uma verdadeira fã de livros fantasias, mas devo me render a este. Foi uma experiência nova e, devo admitir, muito legal. Gostei do novo!
A história começa com uma terrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até um ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do Orfanato são muito mais que simplesmente peculiares...
Tudo está à espera para ser descoberto no Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares. O roteiro é muito bem construído, o livro é ilustrado com fotografias da época. A história tem continuação num segundo volume que ainda não tem data para chegar na Terrinha.
Para os cinéfilos de plantão, o livro vai ganhar adaptação para a telona previsto para o Natal de 2016, e vai contar com a direção de, nada menos, que o incrível Tim Burton, e grande elenco. No papel de Jacob, Asa Butterfield, - é pessoas, o nosso menino do Pijama Listrado cresceu! - , e como Srta. Peregrine, Eva Green, (Sombras da Noite e A Bússola de Ouro).
Então, é isso...
Agora é só ficar no aguardo e para quem não leu ainda, apressem-se para ler antes do filme. Conselho de quem não gosta de fantasia e se encantou com a história.

Cláu Trigo!

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

O Silêncio dos Sentimentos


"Ela tem um modo econômico de ser - física e emocionalmente - que sempre o atraiu. Seu autocontrole raramente a abandona. É uma mulher que tem domínio de qualquer situação. E mesmo depois de tantos anos, ele sente que mal a conhece, que não consegue entender por completo o que há sob a superfície. Como uma força em sua vida, Jodi é refinada, uma virtuose que o trabalha artisticamente, enquanto Natasha se liga diretamente a seu cérebro primitivo. Se Jodi é para cima, Natasha é para baixo. Se Jodi é um suave aclive, Natasha é uma queda de dez andares."

Ouvi inúmeras criticas ruins sobre o livro, e sabe quando bate aquele arrependimento? E agora, será que consegui entre tantos, escolher o livro errado?
Pois foi esse sentimento que despertou em mim quando li algumas postagens sobre "A Mulher Silenciosa", de A. S. A. Harrison, Editora Intrínseca.
Com certeza, não é "O" livro, mas tem seus méritos. Achei a história bem construída - NÃO! dá para comparar com Garota Exemplar, por favor!
Acho que quando você compara histórias, acaba sacrificando uma delas. As pessoas chegam cheias de expectativas por acharem que vão ter um déjà-vu de uma outra história, e acaba comprometendo todo o contexto do livro, e este perde seu valor!
Esquecem! NÃO é Garota Exemplar. Por sinal, são personagens bem distintas. Não irei entrar em detalhes para não dar spoiler, mas nem sempre certas atitudes querem atingir o mesmo ideal. Você ter certas semelhanças com alguém não significa que suas intenções sejam iguais as delas.
Poderia entrar aqui na desconstrução das duas personagens (Amy Dunne - Garota Exemplar e Jodi Brett - A Mulher Silenciosa) e fazer uma análise profunda de cada personalidade, de cada atitude e seus por quês, mas esse não é o caso aqui. Não por hora (mas seria bem legal!).
Aqui, agora, vamos esquecer Garota Exemplar e resenhar A Mulher Silenciosa, que vai nos contar a história de Jodi e Todd, um casal que levam uma vida aparentemente invejável. Empreiteiro bem-sucedido, Todd pode arcar com alguns luxos, como um belo apartamento com uma vista deslumbrante para um lago, um Porsche (dele) e um Audi (dela) na garagem, enquanto Jodi, que é psicoterapeuta, atende apenas dois clientes por dia e tem tempo de sobra para sessões de pilates, as aulas de arranjos florais e o preparo das refeições gourmet de que tanto gosta. Não é uma vida muito emocionante, mas, depois de terem se conhecido por acaso em um acidente de trânsito vinte anos antes, eles continuam juntos, ainda que não oficialmente casados.
Por trás dessa fachada de tranquilidade, porém, o relacionamento dos dois está prestes a ruir. Todd trai a esposa com frequência, e Jodi sabe disso. E ele sabe que ela sabe. Ela é a esposa silenciosa, preparada para tolerar as traições do marido com o intuito de manter as aparências. Até que o último caso de Todd - com a filha de seu melhor amigo - torna-se mais que uma pequena aventura e ele anuncia que está saindo de casa.
A autora retrata de maneira pungente a desintegração de um casamento e todas as suas consequências e frustrações. A angústia do que estar por vir e a negação da situação.
É uma análise profunda de um "casamento" e tudo que vem com esse contrato.
Recomendo!

Cláu Trigo

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Um Bom Filme Para Tomar Alguns Sustos - A Possessão de Deborah Logan


Pro Mês do Terror, não podia faltar um filme de terror. E hoje trazemos "A Possessão de Deborah Logan" (2014) do diretor Adam Robitel.
O enredo consiste basicamente na história de uma estudante de medicina que está fazendo um trabalho e vai estudar uma senhora, Deborah Logan, que tem Mal de Alzheimer.
O filme é todo feito no estilo Found-Footage (filmes feitos por "câmera caseiras"). A partir disso começamos a ver sintomas que 'talvez' não sejam só por causa do Alzheimer...
O filme em si não é ruim, porém não é dos melhores que já vimos. Ele tem seus pontos positivos e negativos.
Não conhecíamos o elenco, mas teve boas atuações nesse meio. Como por exemplo, a atriz Jil Larson,(Deborah Logan). Ela estava simplesmente magnífica (palavra estranha para usar nesse contexto...). A transformação que ela vai tendo durante o filme por causa de seus demônios é absurdamente brilhante, de dar medo (como eu)!
Outro ponto forte do elenco é a atriz Anne Elizabeth Ramsay, que faz a filha de Deborah, Sarah Logan. A loucura que ela passa por causa de sua mãe transparece de um jeito formidável. De arrepiar! Até parecia que eram mãe e filha na vida real.
Mas, como vários filmes sobre o assunto, também teve vários pontos fracos...
Infelizmente, em contradição às atuações já citas anteriormente, o resto do elenco foi bem fraquinho. A personagem Mia Medina foi interpretada por Michelle Ang, que deveria ser de muita importância para a história, mas que fracassou. Aparece muito pouco e as vezes que aparece não engana. E sem contar a sua equipe técnica, que é totalmente sem expressão, sonso. Não conseguem convencer.
Agora por parte de enredo, tem algumas coisas que pecam. A explicação para a tal possessão é aceita, mas tem seus erros. Na minha concepção, a situação não seria para uma possessão! Além de que algumas explicações ficam meio em aberto.
Por fim, mas não menos importante: os tão conhecidos clichês! Porque esse pessoal NUNCA acende as luzes? Porque eles não fogem dali? Por que não deixam de filmar em situações extremas? Ficam quase que "dando sopa".
Antes de finalizar, quero citar outro filme bem parecido com esse que também assistimos recentemente: O Misterioso Caso de Judith Winstead. Apesar de não dar tanto susto, nem tem uma atmosfera tão temerosa por nós, meros mortais (será?), considero uma história melhor, mais equilibrada.
Quer assistir um filme para se divertir e tomar alguns sustos? Ele está ai.
Quer um filme para analisar a sua complexidade? Melhor procurar outro.

Nos digam se já assistiram e o que acharam!
Que filmes recomendam para a gente neste final do Mês do Terror?

Carol Trigo!
Até a próxima e durmam com os demoninhos (lindos, rsrs)!!!

sábado, 17 de outubro de 2015

E O Pandemônio Está Lançado...


Outubro chegou e trás consigo os medos mais íntimos e secretos que guardamos numa caixinha no fundo do nada... Isso! porque no fundo das trevas é onde o nada se esconde.
Sempre que nossos demônios vêm à tona, fantasmas invadem nosso sono e fazem das noites quentes o verdadeiro inferno da alma - literalmente!
Então, com demônios ou sem eles, bem vindos ao maior pesadelo do ser humano. Que todos os nossos fantasmas se confraternizem nesse mês e voltem para onde nunca deveriam ter saído.

video

Carol e Cláudia!

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Os Três - Verdade ou Imaginação?


"Ele perguntou se podia contatar meus amigos e minha família, 'para um apoio a mais'. Pensei em ligar para o Gerry, mas mudei de ideia. Stephen, Shelly e as meninas eram minha família. Eu tinha amigos, mas não eram realmente do tipo com que você pode contar numa crise, se bem que mais tarde todos tentaram se aproximar, ansiosos por ter seus quinze minutos de fama. Parece amargo, eu sei, mas a gente descobre quem são os amigos de verdade quando a vida desmorona."

Provavelmente essa foi a resenha mais difícil que já fiz e vai ficar com essa posição por muito tempo. Como falar de Os Três, da Sarah Lotz (sul-africana!), Editora Arqueiro?!
No dia 12 de janeiro de 2012, quatro acidentes de aviões ocorrem em diferentes continentes. Centenas de pessoas morreram, mas por incrível que pareça três crianças sobreviveram sem nenhum arranhão (no Japão, na África e nos EUA)!
A partir disso aparecem dezenas de teorias da conspiração: desde alienígenas à demônios, fim do mundo até terrorismo - a autora deixa para nós decidirmos e escolhermos o que queremos.
A história vai mudando constantemente de teorias e vai confundindo um pouco, principalmente eu, que quase não sou confusa...
O que me surpreendeu não foi só a escrita, que é muito bem feita, mas a qualidade das críticas que a autora consegue fazer à sociedade, e faz isso muito bem e discretamente. Enumerei várias delas e vou citar algumas aqui (as que mais gostei e achei bem legal, além de concordar com elas):

  • Igreja (melhor crítica!!!!) - crítica o que a Igreja faz e toda a sua luxúria;
  • Mídia (muito boa também) - uma única palavra: sensacionalista. Ponto!;
  • EUA (situação que pouco falam) - tudo ser culpa dos outros ou sempre ser terrorismo;
  • Terceiro Mundo;
  • Internet - onde todos acham que é livre para fazer e falar o que quiser, e o alcance que ela tem.
Entre vários outros, mas se continuar não acabo hoje.
Adorei esse senso crítico da autora à vários temas com um livro só. E no final ela te deixa pensando por várias horas, sem saber no que acreditar. 
Antes de terminar queria falar de mais um detalhe que me impressionou muito e novamente me deixou muito confusa. O livro todo é escrito como se fosse algo que realmente existiu, com matérias de jornais, e-mails, conversas pela internet, entre vários outros artigos. A gente nunca sabe se isso aconteceu realmente ou é tudo da cabeça da autora...
A capa é lindíssima (além de fazer super sentido) e suas folhas são todas pretas. E vou ser sincera,: foi por causa disso que comprei!
Não vou falar mais para não acabar com a história e acabar dando spoiler. Só digo uma coisa: leiam! Vale muitíssimo a pena.

Vou deixar o link do book trailer que ficou demais!

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Um Livro... Extraordinário


"Sabe o que eu acho? A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga dessa forma."

Como o nome já diz, o livro é "Extraordinário!", de R. J. Palacio, Editora Intrínseca. 
Eu comecei a ler pensando que seria um livro normal, como qualquer outro. 
Bem, eu estava errado. 
O livro é muito bom, melhor do que qualquer outro que eu tenha lido até hoje. 
A história se trata de um garoto chamado August, que tem uma síndrome genética que deixa ele com  uma deformidade facial, tendo que passar por mais de 20 cirurgias. Ele nunca foi para uma escola de verdade, mas isso muda quando seus pais resolvem matricula-lo numa.

"É tão estranho como uma noite pode ser a pior da sua vida, mas, para o restante das pessoas, ser apenas uma noite normal." 

Esse livro te faz pensar em tudo de um jeito diferente, fazendo você questionar a visão de cada pessoa sobre August. Ele faz você sentir uma emoção diferente a cada capítulo, como o ódio dos bullying que ele sofre, dos olhares que são dirigidos à ele. É uma tristeza grande que nos invade - eu, por exemplo, quase chorei com a história!


"Agora, pensando bem, não sei por que fiquei tão estressado com isso. É engraçado como às vezes nos preocupamos muito com uma coisa e ela acaba não sendo nem um pouco importante." 

Por Gabriel Trigo (10 anos)

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Asylum: Na Fronteira Entre A Loucura e o Medo


"A construção era de pedra - pedras de um tom cinza escuro retiradas das montanhas impiedosas. Era uma casa destinada aos que não sabiam se cuidar sozinhos, aos que ouviam vozes, tinham pensamentos estranhos e tomavam atitudes estranhas. A função da casa era mante-los lá dentro. Os que ali entravam jamis saíam."

Excelente dica para o mês das bruxas.
"Asylum", de Madeleine Roux, Editora V&R, foi uma boa dica que segui e me dei bem!!!
Literatura Infanto Juvenil, mas cheia de situações inusitadas, leve, rápida.
Ao entrar pela primeira vez em New Hampshire College, Dan Crawford não sabe que viverá ali as cinco semanas mais aterrorizantes de sua vida.
O alojamento da faculdade está em reforma, e os alunos devem se instalar no Brookline, um edifício histórico, numa instituição de saúde desativada. Em outras palavras, um manicômio.
Quando Dan e seus novos amigos, Abby e Jordan, começam a explorar os corredores e o sótão do antigo edifício, logo descobrem que Brookline nunca foi um instituto para doentes mentais comuns: alojou tanto psicopatas quanto homicidas, sujeitos extremamente perigosos.
A presença dos três ali não é obra do mero acaso e vai trazer à tona histórias e práticas monstruosas do passado.
O livro contém ilustrações com fotografias tenebrosas de manicômios reais e cheios de mistérios. É um suspense na fronteira entre a genialidade e a loucura.

"A loucura é algo relativo. Depende muito de lado da grade em que a pessoa está".

Tem um Spin Off  do livro lançado somente no Brasil, "Scarlets", que também trás uma bela capa e conta a história de um aluno, Carl Erickson.
Já foi lançado o segundo volume por aqui também, "Sanctum", que já tá na lista para o "Papai Noel", rsrs. E a lista desse ano tá longa! Tadinho do bom velhinho...
Bom, fica a dica... 
Esse mês temos mais novidades para minhas amigas bruxas, segurem as vassouras!!!
Boa leitura.

Cláu Trigo

sábado, 3 de outubro de 2015

Book Haul - Setembro/2015


Novamente mais um mês cheio de livros. A grande maioria com capas lindíssimas e aparentemente ótimas histórias.
Vamos ao que interessa!

1. O Álbum - Timothy Lewis - Editora Novo Conceito
Sério?! Que capa  linda! E a história parece ser melhor ainda. Bem esperançosa por ele.









2. Peter Pan Tem Que Morrer - John Verdon - Editora Arqueiro
Sempre gostei de livros policiais que brincam com histórias infantis no título. E esse não foi diferente. Somado ao fato de ser do John Verdon. Depois que nós duas lemos Eu Sei O Que Você Está Pensando estamos "doidas" pelos livros dele.






3. Não Pare! - FML Pepper - Editora Valentina
Tenho a autora no Face e ela é super gentil e fiquei super curiosa para conhecer o livro. Vi muitas críticas positivas e agora só falta ler.









4. Fragmentados - Neal Shusterman - Editora Novo Conceito
Primeiramente: Olhem só essa capa! Precisa dizer mais alguma coisa?
Logo quando a NC lançou o vídeo de chamada do livro, já fiquei enlouquecida. Quando li a sinopse, ai só faltava comprar o livro.
E como a maioria dos lançamentos recentemente, esse é mais uma distopia!






5. Linda, Como No Caso do Assassinato de Linda - Leif GW Persson - Editora Intrínseca
A capa apesar de ser simples, chama bastante a atenção. E o mais interessante é que parece ser baseado em fatos...
Além de ser sueco!!!







6. A Garota No Trem - Paula Hawkins - Editora Record
Ultimamente só se ouve falar desse livro. E a maioria das críticas são positivas. Além de estar no 10 livros mais vendidos aqui no Brasil, o livro pode ter um filme. E foi isso que decidiu a gente à comprar.
Espero que tenha valido a pena.






7. O Retrato - Charlie Lovett - Editora Novo Conceito
Esse com certeza foi um achado. Nunca iríamos pegar pelo título nem pela capa. Foi meio que sem querer.
É um pouco diferente do que estamos acostumadas em ler, pois é um "caso" histórico. Vamos ver se cumpre nossas expectativas.







8. Eu Estive Aqui - Gayle Forman - Editora Arqueiro
Acho que todos já perceberam que amo essa mulher. Apesar de ter lido só dois livros dela, já tenho todos. E dos recentes, esse foi o que me chamou mais atenção, pois foge um pouco do estilo dela.
Não é mais um caso entre casais, mas sim entre amigas. E adoro histórias sobre isso. E como ainda não achei nenhum livro bom sobre essa temática, estou pondo bastante fé nele.




9. O Exorcista - William Peter Blatty - Editora Agir
Ahhh, o que dizer desse livro.
Só olhar a capa e conhecer o básico da história para saber o porque compramos.








10. O Vilarejo - Raphael Montes - Editora SUMA de Letras
O mais querido dessa lista.
Conseguimos autógrafo desse e dos outros dois livros, e foi um dia super gostoso, além do Raphael ser super gentil.
Vou deixar o link da fotos com os autógrafos aqui







Muitos livros, né? Mas tenho certeza que todos valeram a pena e não conseguimos nos segurar... Fazer o que?!
Se já leram algum desses livros, digam ai nos comentários para sabermos o que acharam.

Carol Trigo! (e Cláudia Trigo)