Menu

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Debate Cego #4 - ENCERRADO

Meu primeiro desafio às cegas!!! Estava super enrolada com as minha leituras, então tava difícil trazer a resenha. Mas agora vou tentar falar de um livro que me surpreendeu demais sem tentar deixar muito fácil, rsrs.

Eu comprei esse livro somente pela capa, que é maravilhosa, pois tinha um pé atrás com a história. Sempre que lia as pessoas falando dele, era falando super bem, no entanto, a sinopse não me chamava a atenção e me dava a impressão de algo sem pé nem cabeça.
Apesar de amar histórias de terror, ainda não tive uma boa experiência com os livros.
Recentemente li "A Casa Assombrada" e achei bem fraco. Ainda nenhum livro tinha conseguido me afetar. Até esse...
Nosso personagem principal tem uma coleção de objetos macabros de tudo que é estilo e forma. Então, ao ver que estão vendendo na Internet um fantasma de um velho, ele não pensa duas vezes. Junto com o suposto "fantasma", ele recebe um paletó que era de seu dono, agora morto. Ele não tem medo, até o momento em que a caixa chega na sua casa. A partir disso, sua vida mudará de vez!
E a partir daí, eu decidi que não leria ele a noite, porque logo no começo o fantasma aparece para nosso protagonista. E não é nada legal... Todas as vezes, ele aparece sentado numa cadeira no corredor, com a cabeça abaixada. Deu muito medo, e eu sou muito medrosa -  então somem 1 + 1 que vocês saberão o que aconteceu.
A história é muito boa, bem construída, as explicações são bem feitas, o suspense e o terror são os melhores que já li e o final foi algo super inesperado.
Me surpreendi demais em todos os sentidos, e gosto quando o livro/escritor consegue fazer isso com a gente. Acho que esse é um dos objetivos do autor. Não tem tanta graça quando entramos numa leitura e já é tudo meio esperado.
Com certeza foi o melhor livro de terror que já li, e o autor conseguiu me deixar esperançosa para seus outros livros. Já até tenho um dele aqui em casa. Quem sabe não passo ele na frente...

E aí, sabem de qual livro estou falando? Vocês tem até domingo que vem para tentar adivinhar!
Quem quiser ficar mais por dentro do projeto e das futuras resenhas, criamos um grupo no Face.
Boa sorte e até a próxima!!!
Carol

Resposta

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Para Relaxar os Neurônios


"Outro dia, eu estava parado num sinal vermelho quando vi meu filho saindo do cinema. Ele estava com sua nova namorada. Ela segurava a manga do casaco dele com a ponta dos dedos e sussurrava algo em seu ouvido. Não cheguei a descobrir que filme eles tinham acabado de ver - os letreiros estavam cobertos por uma árvore em plena floração -, mas naquele momento me peguei recordando, com uma nostalgia quase dolorosa, os três anos que ele e eu passamos, só nós dois, assistindo a filmes e conversando na varanda da casa, um período mágico que um pai não costuma experimentar quando  tem um filho adolescente. Agora, já não o vejo tanto quanto antes (e é assim que deve ser), mas aquele foi um período maravilhoso. Uma pausa feliz, para nós dois."


Um livro para descontrair, simples assim.
Sabe aqueles dias que não estamos à fim de pensar, refletir, ficar ansiosa, aflita? Então, esse é o livro.
"O Clube do Filme", de David Gilmour, Editora Intrínseca, é o livro.
Li ele em dois dias - tem 239 páginas - mas poderia ter sido menos. Foi a preguiça falando mais alto.
Tem uma história legal como enredo, e muitas, mas muitas sugestões de bons e ótimos filmes. Assisti muitos, outros foram para a lista. O mais legal é que em muitos deles, ele tem uma história para contar sobre o diretor, roteiro, atores, cenário. Muito interessante.
A história é real e instigante! Não fica nada ali, jogado, à toa.
David Gilmour, crítico de cinema desempregado e com o dinheiro contado, vivia uma fase complicada. Além disso, o filho de 15 anos colecionava reprovações em todas as disciplinas. Diante da falta de rumo daquele estudante perdido e despreparado, uma proposta paterna radical: o garoto poderia sair da escola - e ficar sem trabalhar e sem paga aluguel - desde que assistisse toda semana a três filmes escolhidos pelo pai, e com o pai. Assim surgiu o Clube do Filme...
Acho uma boa dica para se ler quando não se tem nada para fazer e quer relaxar!

Cláu Trigo

terça-feira, 24 de maio de 2016

Precisamos Falar Sobre Quem? - Resenha/Desafio


"Ela acendeu em mim o mesmo orgulho que eu esperava um dia fosse inflamar nosso filho, depois que ele tivesse idade suficiente para apreciar os feitos dos pais. Uma ou duas vezes eu inclusive acalentara uma estranha fantasia,, na qual via Kevin debruçado sobre minhas velhas fotos perguntando muito empolgado: Onde é isso? O que é aquilo? Você já foi à ÁFRICA? Uau! Mas a admiração de Siobhan mostrou ser cruelmente enganosa. Kevin de fato se debruçou sobre uma caixa com fotos minhas, uma vez - com uma lata de querosene nas mãos."

Talvez um dos livros do desafio mais aguardado por mim.
"Precisamos Falar Sobre o Kevin", Editora Intrínseca, de Lionel Shriver. Foi uma leitura pesada, no começo bem difícil e lenta, mas que me deu um tiro na última página.
Vou ser sincera, até mais ou menos a metade do livro, a leitura para mim estava bem mediana. Não conseguia ver tudo aquilo que as pessoas falavam sobre ele. E nem preciso ir muito longe, minha mãe simplesmente AMA o Kevin, vive analisando o Kevin, sempre "precisando" falar sobre o Kevin. Então, a melhor maneira de falarmos sobre o Kevin foi coloca-lo no desafio - assim era certeza que leria!
O livro todo se passa entre cartas mandadas pela mãe de Kevin - um garoto que aos 15 anos matou onze pessoas - para seu marido, depois de um ano do trágico acontecimento. Nestas cartas, ela vai revezando entre o presente, relatando suas visitas ao filho preso, e o passado, lembrando do atos horríveis que Kevin cometia desde que era pequeno.
O livro o tempo todo vai fazer a gente parar a leitura e pensar de quem é a culpa dele ter virado esse psicopata. Existem vários problemas de todas as partes que resultou nisso. Vou falar tanto da mãe quanto do pai, porque ambos têm culpa no cartório.
Primeiro vou começar pela mãe, que é a mais atacada no livro e o que a maioria do leitores acham que é a única culpada. O grande problema dela é que ela nunca quis ter um filho. Ela ficou grávida com a justificativa de ter um "assunto" para falar no futuro, quando ela e o marido fossem mais velhos. E isso, querendo ou não, meio que é sentido por qualquer filho. E a resposta de uma criança é qual? Chamar a atenção. Porém o Kevin fez isso da pior das maneiras. E aí que entra a culpa do pai, que na minha opinião, é tão grande quanto da Eva (mãe).
O pai só piorava a situação. Em todas as vezes que o Kevin aprontava e Eva surtava, Franklin (o pai) sempre tinha uma desculpa para justificar o que ele fazia. Tinha momentos que estava óbvio que o Kevin tinha machucado um colega da escola ou da vizinhança, e em quem ele colocava a culpa? Claro! Na mãe, porque infelizmente a culpa é sempre delas para muitos. A questão é a seguinte: ele era (ou ficou) cego para as ações feitas pelo seu filho.
“É sempre culpa da mãe, não é verdade?”, disse ela, bem baixinho, pegando o casaco. “Aquele menino deu errado porque a mãe dele bebia, ou se drogava. Ela deixava o garoto solto na rua; ela não ensinou a ele o que é certo e o que é errado. Nunca estava em casa quando ele voltava da escola. Ninguém nunca diz que o pai era um bêbado, ou que o pai nunca estava em casa quando o garoto voltava da escola. E ninguém jamais diz que alguns desses garotos não prestam e pronto. Não vá você acreditar nessa balela. Não deixe que eles ponham nas suas costas essa matança toda. (...) É duro ser mãe. Ninguém nunca aprovou uma lei que diz que para alguém ficar grávida tem que ser perfeita. Tenho certeza de que você tentou ao máximo. Você não está aqui, nesse fim de mundo, numa bela tarde de sábado? Você continua tentando. Se cuide, meu bem.”
O que me cansou um pouco a leitura foi ela contando seu dia a dia, que era uma chatice. Também, não era para menos, já que ela tinha perdido tudo, porém ainda assim era cansativo. No entanto, depois que peguei o ritmo da leitura e da escrita o livro foi super rápido - dentro do possível, porque não é um livro que dá para ler muitos capítulos.
É um livro muito forte e que não sei se é para todo mundo. E que traz questões ainda hoje muito importantes e que não sei se tem resposta. De quem é a culpa? A pessoa já nasce má, ou ela se torna? Poderia reverter a situação?
Agora preciso assistir o filme e ver se conseguiu passar toda a aura pesada do livro e essas mesmas perguntas.

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Balzaquianas em Ação! - Resenha/Desafio


"Pensai agora no papel que deve representar uma mulher de espírito e sentimento na presença de um marido deste gênero. Não se descobrem existências cheias de dores e dedicação, cujos corações ternos e delicados coisa alguma neste mundo poderia recompensar? E quando se encontra uma mulher forte nessa horrível situação, livra-se dela por meio de um crime, como fez Catarina II, não obstante denominada "a Grande". Mas como nem todas as mulheres se encontram sentadas num trono, sofrem quase todas os desgostos domésticos que, por serem obscuros, não deixam de ser menos terríveis."

O que dizer de Honoré de Balzac? Um autor que entendia da psicologia feminina? Um critico fervoroso a sociedade francesa da época? Não importa muito. O que vale é que meu desafio desse mês foi escolhido à dedo.
Acho Balzac de suma importância para a literatura mundial, mesmo porque foi uma forte influência para Proust, Zola, Dostoiévski, Flaubert, Henry James, Machado de Assis, Castelo Branco e Ítalo Calvino. Nada mau para começar, não é mesmo?
"A Mulher de Trinta Anos", um dos mais populares livros de Balzac, foi escrito em seis partes entre 1829 e 1842, e muito se fala sobre ele, já que foi retocado inúmeras vezes, tinha muitos fragmentos que foram encaixados de forma dispersa, mas nem isso tira o mérito do livro.
Foi um dos pioneiros do realismo literário pela complexa descrição de detalhes em suas obras, principalmente de objetos. Em "A Mulher de Trinta Anos", descreve com nitidez a Era Napoleônica que vivia a França, e cria em torno desse episódio uma história de amor, abandono, desilusão, frustração, encontros e desencontros.
Julia, nossa personagem principal, é arrastada pelos caminhos tortuosos do amor, da desilusão, da desesperança. Atinge o auge de um amor proibido aos trinta anos, e se encontra numa situação arriscada, onde o divórcio não era bem visto numa sociedade aristocrática, conservadora e moralista.
Por causa do livro, hoje usamos o termo "mulher balzaquiana" como adjetivo para mulheres com mais de trinta anos. Meigo, não?
Adorei. Sou balzaquiana à tempos, muito tempo. Em todos os sentidos.
Boa leitura!

Por Cláudia Trigo

domingo, 22 de maio de 2016

Debate Cego #3 - ENCERRADO


"Esse era o pensamento que assombrava minha cabeça. Eu nem sabia direito se queria estar certo ou errado, mas, como já disse antes, se é possível farejar uma mentira, a verdade também tem seu cheiro. Quanto ao "não pode ser", novamente me lembrei de Sherlock Holmes: "Uma vez eliminado o impossível, o que sobra, por mais improvável que pareça, deve ser a verdade."

Mais um desafio às cegas, mais uma emblemática história, de um autor que NUNCA tinha lido, mas tem uma legião de fãs, principalmente aqui na terrinha.
Confesso que tenho alguns de seus livros, mas estava "meio" relutante em ler. E, nesse primeiro, gostei demais!!!
A história é boa, o personagem cativante; ele consegue dar um bom desfecho e fechar a história de uma forma inusitada. Recomendo!
Bom, sem mais, vamos à ela.
Nosso personagem cruza o Atlântico para encontrar uma ex-namorada e ajuda-la a desvendar o assassinato de seu ex-marido. Não é a primeira vez que ele larga tudo para ajudar alguém.
Apesar de trabalhar como agente de atletas e celebridades, frequentemente ele se vê atuando como detetive a pedido de um cliente ou amigo. E sempre encontra alguém disposto a cooperar em suas investigações. Pudera. É difícil resistir a seu jeito de bom moço e suas tiradas bem-humoradas.
Uma dica: existem vários livros publicados com esse personagem.
Então, fiquem a vontade. Aguardamos os feedbacks.

RESPOSTA

sábado, 21 de maio de 2016

Prepare-se Para a Queda! - Semana Draco #5


"Colocando tudo numa balança, tendo a dizer que a maldade, independente das intenções, está presente em todas as nossas atitudes. Qualquer um - repito, qualquer um - pode achar que o meu ato mais nobre é mal. Daí que retiro minha visão do mundo".

Cá estamos com o nosso último livro da Semana Draco.
O nosso livro de hoje é "Até o Fim da Queda", de Ivan Mizanzuk.
Já tinha lido o conto "Arcano XV", que é o Prólogo do livro. Na época não consegui me conectar com a história, mas hoje, depois da leitura do livro, faz todo sentido.
O livro não é nada convencional, muito pelo contrário. Foge do velho clichê. Ivan foge dos diálogos, descrições aleatórias e da narrativa básica. O que se lê são notícias, entrevistas, cartas e gravações. Não se vê muitos cenários, o leitor deve, literalmente, montar uma linha do tempo dos acontecimentos na sua cabeça.
O autor está o tempo todo nas entrelinhas da história. Conversa com a gente e nos puxa para um abismo de incertezas e desconfianças.
"Até o Fim da Queda" nos conta a história de sete jovens que se suicidam em 1993, e rumores apontam para um ritual. A polícia descarta a opção e dá o caso como encerrado.
Anos depois, Daniel Farias, um escritor popular de terror, decide reconstruir o caso em sua nova obra. Durante a pesquisa, descobre histórias sobre uma ordem secreta operando em nome de um demônio, o Dragão Vermelho, cujas origens remontariam a um exorcismo ocorrido no século XVI, na Espanha.
Nada no livro é óbvio ou claro, o fantástico está sempre rondando a história, sempre nos lembrando que somos humanos, e por isso, nos puxa para uma grande queda!
Boa leitura!

Cláu Trigo

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Director´s Cut e o Fim! - Semana Draco #4

Mais um conto da Editora Draco, esse de Fábio Fernandes, "Director´s Cut". É um conto rápido que baixei no Kobo e estava bem curiosa para lê-lo.
A história corre fácil, tem uma "pitada" de suspense leve, mas bem interessante, só não me agradou em nada seu final! Achei ele chato, estava esperando "aquele" final para uma história que estava fluindo legal, mas...
O conto é sobre algumas latas de filmes que começam a desaparecer da Cinemateca do Rio de Janeiro e novos filmes são colocados no lugar: O Coração das Trevas, dirigido por Orson Welles, Os Oitos Macacos, de Stanley Donen, O Fim da Infância, de Stanley Kubrick, Hamtaro de Akira Kurosawa.
Só que existe aí um detalhe: esses filmes nunca existiram. Então, de onde vieram esses filmes, quem estava colocando-os nas latas e por que?
A ideia é bem interessante, mas como disse, o fim me deixou frustada. Mas vale à pena dar uma conferida, quem sabe vocês tem uma opinião melhor que a minha.

Boa leitura!
Cláu Trigo

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Ninguém ou Alguém? - Semana Draco #3


A resenha de hoje é um conto, "Ninguém" , Editora Draco, da Karen Alvares, uma autora nacional que há muito tempo venho querendo ler - principalmente "Alameda dos Pesadelos" e  "O Último Dia de Outubro", e que tem muita chance de virar uma das nossas grandes autoras, principalmente no gênero terror.
A história se passa em torno de um jovem hacker que vive atrás dos horrores da Deep Weeb. Por causa de sua curiosidade (já disseram que a curiosidade matou o gato?), acaba se deparando com o Cirurgião, um homem que vai tornar sua vida num verdadeiro inferno.
O conto é bem rapidinho, tem apena 9 páginas, porém é repleto de uma aura assustadora. É bem interessante, pois ele traz um assunto e algumas dúvidas presentes no nosso dia a dia. A relação da Deep Weeb e o que encontramos lá; que a Internet não é um lugar seguro nem inalcançável; e aonde nossos impulsivos e curiosidades podem nos levar.
É um conto super rápido, fácil de ler, angustiante e que no final nos traz a curiosidade (aqui está ela de novo...) sobre quem é o Cirurgião, o porque dele fazer essas coisas. Ela poderia facilmente escrever um livro (ou até mesmo um conto mais longo) sobre ele, que ficaríamos agradecidos, rsrs.
Não dá para falar muito mais por ser um conto rápido e posso  acabar dando spoiler, mas leiam, tenho certeza que vão gostar e querer mais informações.

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

terça-feira, 17 de maio de 2016

O Alienado: Um Livro Que Todos Deveriam Ler! - Semana Draco #2


" - Revistas, jornais, livros. Em cada porto que paro dou um jeito de me abastecer com bastante coisa para ler. Trabalho muito durante o dia, mas à noite, antes de dormir, tiro pelo menos uma hora para ler um pouquinho, e assim vou aprendendo - meu pai limpou a barba com as costas da mão. - Meus companheiros dizem que estou perdendo tempo com tanta letra, mas e eu lá dou ouvidos. Não se deve escutar quem diz tamanha besteira, mesmo se a voz que disser isso seja a sua própria. Só sobrevive nesse mundo quem se esclarece o suficiente para perceber a exploração e a injustiça."

"O Alienado", de Cirilo S. Lemos (Ed. Draco) é mais do que uma crítica à sociedade e à nós mesmos, meros mortais - é uma amostra, infelizmente, da nossa realidade...
Acompanhamos a trajetória de Cosmo Kant, um operário que testemunha um homem atravessar o espelho de sua casa como num passe de mágica, enquanto isso, o governo precisa lidar com uma guerra não oficial contra o Nada.
A partir desses acontecimentos, Cosmo vê sua história se entrelaçar com a de um inspetor encarregado de investigar possíveis ataques terroristas contra a realidade, mas que está mais interessado no amor de uma mulher proibida. Que segredos existem por trás das torres de aço e vidro da Cidade-Centro? Em um mundo de dúvidas, só existe uma certeza: os Metafilósofos vigiam você!
Quando estava para escolher um livro da editora para ler, esse foi o que mais me chamou a atenção por dois motivos: o título, pois é um tema que me agrada bastante e a capa, que é linda! A sinopse deixa a gente bem intrigado, pois não diz muito e traz um mundo bem diferente de nós.
Quando estava procurando um pouco mais de informações sobre o livro, li uma resenha no Skoob falando super bem e além de ressaltar o quão confuso o começo é. Mas que no final, as pontas se encontram com uma boa justificativa. Então já fui para a leitura preparada!
E realmente até a metade do livro, é difícil entender quais são as relações entre os acontecimentos. Mas já aviso para não desistir por causa disso, no final tudo vale a pena. Não esperava que fosse acabar assim.
A história é praticamente dividida em duas partes: a parte narrada pelo Cosmo, até relembrando sua infância e a parte narrada pelo Inspetor de Primeira Classe Carvalho, na minha opinião a parte mais confusa. Os personagens são bem interessantes, principalmente Cosmo e as pessoas que aparecem à sua volta.
Tenho que citar uma parte que me chamou muita atenção e que achei bem criativa. Em um certo momento, os Inspetores vão à uma clínica. Lá encontram o doutor com o seguinte nome: Sigmund F. - te lembram alguém? E algumas páginas mais tarde, ele vem a citar um tal de Br.euer. Muito bem sacado essa referência indireta. Adorei isso!!!
O livro é muito bem feito, está muito bonito, tem alguns quadrinhos no meio bem feitos também. Realmente um trabalho da editora muito bom. Estão de parabéns pelo trabalho!
Gostei muito do livro e acho que deveria ser mais conhecido. Precisamos ler e abrir um pouco a mente. Dá orgulho de saber que algo tão bom foi escrito por um brasileiro.

" - Viu? - gargalhou papai. Não era uma gargalhada boa. Era sombria, como se ecoasse de uma caverna profunda. - Sua mãe tem medo dos comunistas porque todo mundo tem; e todo mundo tem porque tem alguém dizendo que é para ter. Meus queridos, temos uma ditadura no comando e ela censura todas as formas do povo saber das coisas, assim ninguém vira ameaça."

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

segunda-feira, 16 de maio de 2016

03:33 - Para Aquecer a Semana Draco #1


"Os móveis rústicos, elegantemente posicionados nas sombras, pareciam fitar-me. Senti uma brisa gélida dançar às minhas costas. A luz tremeluziu por alguns segundos e estabilizou.
Apanhei rapidamente os documentos, minhas mãos tremiam. Prendi-os debaixo do braço e desloquei-me até a estrada e subi rapidamente os degraus, sem olhar para trás. Algo me espreitava, pressentia isso."

Hoje começa a Semana Draco em comemoração aos mil inscritos na nossa página do Face. Todo dia até sexta-feira terá uma resenha de algum livro/conto da editora.
Obrigada à todos, que fizeram de nós, mera leitoras compulsivas, pessoas melhores. Vocês são a válvula que nos move.
E como agradecimento, resolvemos fazer uma semana de livros da Draco, uma Editora que está aí no mercado incentivando, motivando, investindo, apostando no talentos tupiniquins aqui da terrinha. Acho isso formidável, encontramos nessa montanha editoral, talentos promissores, autores com potencial escondidos nessa avalanche de livros, propagandas, divulgação enganosa e mídia tendenciosa. 
Gosto de resenhar meus livros descompromissada. Pago por eles e tiro o fardo das costas de ter que falar bem porque "ganhei", porque tenho um voto de "gratidão", assim dizendo. Pelo amor de Deus, NADA contra que faz parcerias, mas isso me incomoda muito. Eu, Cláudia, não consigo ler um livro e simplesmente falar bem se não gostei, também gosto de ler no meu ritmo, tem livros que fazem anos que estão na estante e foram comprados em seus lançamentos! Acredito que vão ficar lá mais um tempo!
Sou um ser livre: sem prazo, sem compromisso, sem obrigações. Leio de acordo com meu humor. E ele é bipolar, varia de acordo com o tempo e a hora, rsrs.
Tirando os desafios que minha filha Carolina me envolve, e acabam virando obrigação, com data e hora marcada, o resto corre de acordo com as minhas convicções e vontade.
Então, vamos ao que interessa.
"03:33", de Waldick Garret, foi um achado. Vou confessar que sou uma aficionada por livros e contos de suspense e terror. Primeira visão: capa linda, linda, linda! Amo essa capa. O livro na parte de gráfica é muito bem feito, com folhas grossas, algumas ilustrações entre contos. Bem legal.
Outras impressões: achei alguns erros de revisão, e sou muito chata com isso. Me incomoda demais! Os contos são bem escritos, envolventes, mas achei que a sinopse do livro na sua contra-capa engana um pouco, o que pode frustar seu leitor. Quando compramos alguma coisa que fala que é terror, esperamos terror! Se compramos romance, queremos romance! Na sinopse se vende um produto, mas ele não é tão aterrorizante assim. 
Mas o que vale é que seus contos são ótimos, muito bem construídos, inteligentes, interessantes. Tem até um suspense no ar, mas não espere noites mal dormidas, porque não vai rolar. Se a sinopse fosse mais bem elaborada, acredito que o livro seria perfeito!
O conto "Margaux"  é MUITO bom, "Lesônio" é uma distopia moderna, bem legal. Todos tem um pontinho de suspense, mas altamente gostosos de ler, bem escritos. E antes que me esqueça. no final do livro Waldick dá sua versão para cada conto, explicando o que foi vivenciado, meio vivenciado ou pura imaginação.
Acho que vale a pena darem uma conferida.

Por Cláudia Trigo

terça-feira, 10 de maio de 2016

BookHaul - Abril/2016


O BookHaul desse mês foi praticamente de livros maravilhosos, rsrsrs. Estamos babando com eles e, por muito pouco, não passamos alguns na frente... Além domais, chegaram três livros lindos depois que tiramos essa foto, sendo que um deles ainda deve chegar essa semana, mas eles aparecerão no final do post. Vocês vão ver porque ficamos babando neles.

O Navio de Teseu
Doug Dorst
Intrínseca
Odisseia
Homero
Cosac Naify
O Inocente
Harlan Coben
Arqueiro
















Vimos algumas pessoas falando do "Navio de Teseu" e o quão bonito e interessante ele era. Não deu outra, fomos logo atrás dele. E realmente ele é maravilhoso. Para quem não conhece, vou deixar um link falando um pouco sobre ele e mostrando por dentro.
Fazia já um tempo que a minha mãe queria ler "Odisseia", mas ela queria essa edição linda da Cosac Naify. Só que como vocês sabem, a editora faliu, então só se acha os livros dela na Amazon e o que restou nas livrarias, além de ser meio caro. Mas valem muito a pena. Dá para ver o trabalho e o cuidado que eles tem. Achamos esse livro na Fnac de Pinheiros, era a última edição que eles tinham. Foi um achado!
"O Inocente" foi mais um livro do Harlan Coben que compramos para completar a coleção, e para ver se esse é melhor. Porque já li dois dele, e como no caso do James Patterson, ainda não sei o porque de falarem tanto dele. Mas dizem que esse é um dos melhores, vamos ver. Vou sem esperar muita coisa, talvez isso ajude a gostar um pouco mais do livro, diferente dos livros anteriores já lidos.

Social Killers
R. J. Parker; J.J. Slate
DarkSide
Sangue no Inverno
Mons Kallentoft
Benvirá
A Menina Que Não Sabia Ler
Vol. 2 - John Harding
Leya
















Quando a DarkSide lançou "Social Killers.com" a gente já queria para ontem. Gostamos muito de livros desse estilo, meio policial, porém mais técnico. E como sempre, os livros da editora são - esse não é diferente - lindos de morrer!
"Sangue no Inverno" é mais um policial sueco (só por isso já vale comprar...), que faz parte de uma coleção de quatro livros. As capas são muito bonitas. Só não tínhamos comprado antes pois o preço é um pouco salgado e não sabíamos a ordem direitinho. Bem ansiosa para ler, apesar de ser um tijolo!
"A menina que não sabia ler 2" foi um presente de aniversário para a  minha mãe. Ela já tinha lido o primeiro "A Menina Que Não Sabia Ler" alguns anos atrás e tinha gostado bastante. Ela nem sabia que tinha saído o segundo, então resolvi presenteá-la. Vamos ver se é bom...

Não Brinque com Fogo
John Verdon
Arqueiro
A Menina Submersa
Edição Limitada
Caitlín R. Kiernan
DarkSide
O Gigante Enterrado
Kazuo Ishiguro
Cia das Letras

















"Não Brinque com Fogo" é o terceiro livro da série do John Verdon. Eu só li o primeiro e gostei muito mesmo. Já minha mãe leu os dois primeiros e já tínhamos o quarto, rsrs, então faltava esse... Vi várias pessoas falando que esse é o melhor dele - veremos!
Já tenho a edição normal de "A Menina Submersa: Memórias", que também é linda. Li no final do ano passado/começo do ano e amei. Entrou facilmente nos favoritos. E falei tão bem, que minha mãe ficou curiosa. Mas ela tinha que ter um só dela, então porque não ter essa edição simplesmente maravilhosa só para ela? Um dos livros mais bonitos da DarkSide, e olha que isso não é pouco.
"O Gigante Enterrado" primeiramente me chamou a atenção por causa de suas folhas azuis. E quando li a sinopse, me chamou muita a atenção, pois é fantasia com a história do rei Arthur, com uma pegada de George R. R. Martin (mesmo não tendo lido nenhum livro dele e nem ter interesse) e Tolkien (que amo, mesmo não tendo lido os livros, só assisti os filmes)! Ah, e ainda é japonês. Como nunca li nada de lá, é um bom momento para mudar essa situação.

A Mulher de Preto 2
Martyn Waites
Record
A Morte de Rachel
Anne Cassidy
Rocco
Donnie Darko
Richard Kelly
DarkSide
















Em "A Mulher de Preto 2" é uma situação um pouco fora do normal, porque assistimos os dois filmes, sendo que achamos o primeiro ok e esse bem melhor. Então sim, compramos só esse e não pretendemos comprar o anterior. Segue a fila!
"A Morte de Rachel" é o segundo de uma série "policial" (?). Li o primeiro esperando muito e achei bem fraquinho, posso até chamar de ruim. Mas tenho uma regra de que não largo nenhum livro, pois sempre pode melhorar ou piorar, e sem terminar de ler não posso falar do livro com convicção e chamar de bom ou ruim. E é o mesmo caso com série: prefiro terminar a série, ler todos os livros, pois também pode vir a melhorar ou piorar. Então sim, mesmo achando fraco, vou ler todos que lançarem para no final poder falar o porque gostei ou não.
Esse é o primeiro livro dos três que não apareceu na foto - "Donnie Darko" chegou depois. Compramos no lançamento e chegou pela Amazon super rápido. Somos apaixonadas pelo filme, mesmo não entendo muito bem, rsrs, mas quem entende? E quando anunciaram que iriam lançar o livro, não deu outra, tivemos que comprar. Ele está lindo, e veio até com um marcador em forma de avião - para quem assistiu o filme, vai saber o significado dele. Mas ele não é um livro com a história do filme, ele contém entrevistas com o ator principal e diretor, além do roteiro final usado no filme. É um pouco mais técnico, mas para quem gosta do filme, vale muito ter ele na estante!

Menina Má
William March
DarkSide
Exorcismo
Thomas B. Allen
DarkSide
















O segundo livro foi "Menina Má", que foi até parecido com o caso do Donnie Darko. Quando lançou, precisávamos dele. A capa é maravilhosa e a história parece ser muito interessante. Bem ansiosa para ler!
E por último, mas não menos importante - pelo contrário - "Exorcismo", que infelizmente ainda não chegou, mas compramos em Abril e ele devia estar aqui. Dos três, esse é o que estou mais ansiosa, ainda mais que dentro do livro, temos tipo um tabuleiro quija, mesmo sabendo que passarei longe dele...

Muitos livros, não? Agora é só arranjar tempo para ler tudo isso...
Quais desses vocês já leram? Gostaram? E quais vocês querem ler? Comentem ai embaixo que ficaremos muito felizes em saber ;)
Boa leitura!
Carol!!!

sábado, 7 de maio de 2016

Maravilhoso! - Colleen Hoover Destruindo Nossos Corações...


"Não fico sentado aqui me perguntando se algum dia irei assimilar sua morte. Fico aqui me perguntando quando é que vou parar de vê-la morrer."

"Sem Esperança", da Colleen Hoover ( Ed. Galera Record) é o segundo livro da série Hopeless - o primeiro foi  "Um Caso Perdido" e o terceiro é "Em Busca de Cinderela" - esse ainda não lido.
Como alguns devem saber, o primeiro livro eu simplesmente AMEI!, e virou rapidamente um dos meus favoritos. Quando a editora anunciou que iria lançar o o segundo livro, fiquei histérica. Literalmente!
Até que enfim consegui ler, e de novo fui recebida por sentimentos que só essa autora, com essa série, consegue transmitir.
Para quem leu o primeiro livro, esse vai trazer praticamente a mesma história que o anterior, só que agora pela visão de Holder. Para quem não conhece a história, vou dar uma resumida.
Culpado por não conseguir salvar sua irmã Less (que se suicidou) e sua melhor amiga Hope (raptada quando ainda era pequena), Holder torna-se agressivo. Mas depois de um ano, quando volta para sua cidade natal para morar com  sua mãe, Holder se depara com Hope - que se chama agora Sky. Porém ele nunca imaginaria que o sofrimento seria ainda maior depois do reencontro.
A escritora consegue novamente despertar tudo aquilo sentido no primeiro livro. E eu achava que seria impossível!
Foi ótimo lembrar de alguns acontecimentos e detalhes que já tinha me esquecido, depois de quase um ano da leitura do livro anterior, lembrar os nomes dos personagens, entre outros detalhes...
É muito interessante ver todos os problemas pelo olhar do Holder, e como ele se sentia em relação a tudo aquilo. E para quem acha que é mais do mesmo, que já sabemos de tudo, que o livro não atingirá nós leitores, vocês estão enganados. Ele é tão bárbaro quanto "Um Caso Perdido".
A única coisa que talvez fez ele perder alguns pontinhos foi que achei em algumas partes a história fica um pouco repetitiva. Por ele se sentir culpado por tudo que aconteceu, Holder acaba falando a mesma coisa em quase todos os capítulos. E isso cansou um pouco. Porém nada que tire seu brilhantismo!
Um outro problema que tive foi a capa, além de ter uma pessoa nela (acho o pior tipo de capa), ser super feia, não condiz com o personagem. O Holder no livro acabou de fazer 18 anos - nesta capa ele parece ter uns 30... Horrível! Desde o primeiro, a capa já não era muito boa, mas ainda era próxima com a personagem.
O livro é super atual e importante por tratar de assuntos muito sérios e pouco falados. É uma série que mais pessoas deveriam conhecer e ler!
O terceiro livro - "Em Busca de Cinderela" - está no meu desafio, no entanto é o último livro do ano a ser lido... E novamente estou muito ansiosa, apesar de já saber que ele será mais leve e mais engraçado.
Fica aqui uma resenha nem a altura do livro e da autora e minhas súplicas para que vocês, leitores do Olhar, leiam e depois me digam o que acharam. E para quem já leu, comentem ai embaixo se gostaram tanto quanto eu!

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!