Menu

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

BookHaul - Dezembro/2015


Dezembro sempre tem muitos livros. Sabendo que no Natal ganharemos muitos outros, resolvemos dividir em duas partes. Esse BookHaul, que será dos livros comprados até o meio do mês, e depois faremos outro com os presentes de Natal! 'Bora' começar logo que isso está grande...

1. O Livro dos Personagens de Harry Potter - Jody Revenson - Record
SÉRIO!!! Vocês não fazem ideia do quão feliz fiquei ao ganhar esse livro de formatura. Já li e como os outros livros desse estilo, é claro que recomendo para todo fã ou quem quer conhecer um pouco mais a série.
Tem informações e curiosidades muito legais e desconhecidas até o momento, além de ,ser muito bonito.






2. Simplesmente Acontece - Cecelia Ahern - Ed. Novo Conceito
Tenho todos os livros dela, e gosto muito de sua escrita. Esse é o único que ainda não li, porém, já assisti o filme e gostei demais, então já foi para a lista de leituras.







3. A Lista Negra - Jennifer Brown - Ed. Gutenberg
Fazia muito tempo que estava querendo esse livro. Vi muita gente falando dele e sempre que víamos, estava muito caro. Felizmente existe a Amazon nas nossas vidas.








4. Indo Longe Demais - Tina Seskis - Ed. Record
Queria dar esse livro para minha mãe desde o Natal do ano passado, mas o preço não estava muito bom. No entanto, a Amazon novamente estava com preços ótimos, incluindo esse.
Para ela não ficar muito ansiosa, deixei ela ganhar esse antes do Natal.






5. Sangue na Neve - Jo Nesbo - Ed. Record
Não sabíamos que existia esse livro, até que um dia estávamos andando pela Saraiva e encontramos ele. Mas estava um absurdo de caro... Então fizemos o que? Compramos ele na Amazon. Simples assim. (Amazon, salvando, de novo! nossas vidas).







6. Como Eu Era Antes de Você - Jojo Moyes - Ed. Intrínseca
Eu li A Última Carta de Amor dela e minha mãe leu A Garota Que Você Deixou Para Trás. Como vai sair filme desse livro, decidimos comprar para ler antes da estréia.







7. A Espada do Verão - Rick Riordan - Ed. Intrínseca
Vou ser sincera, estou bem ansiosa em ler essa nova série do Rick. Mitologia nórdica com um herói bem interessante, além de ter visto boas críticas.









8. Apenas Um Ano - Gayle Forman - Ed. Novo Conceito
Apesar de só ter lido Se Eu Ficar e Para Onde Ela Foi (e amado), já comprei todos os livros da Gayle. Só na espera para serem tão bons.








9. Box Mazer Runner - James Dashner - Ed. V&R
Assisti o primeiro filme e gostei bastante da ideia. Quero assistir o próximo e mais ainda, quero ler. Meu irmão está no último livro e está adorando, então estou bem esperançosa.








10. A Aposta - Rachel Dyken - Ed. Suma de Letras
Ganhei esse de presente. Não sei muito o que esperar dele. Alguém já leu? O que acharam?








11. Para Todos Os Garotos Que Já Amei - Jenny Han - Ed. Intrínseca
Vi muitas críticas positivas e tem uma ideia muito boa. Bem ansiosa por esse.










12. O Guardião do Tempo - Mitch Albom - Ed. Arqueiro
Ganhei esse da minha amiga e parece ser muito legal. Ela me deu falando que lembrou do filme Donnie Darko, filme o qual amo <3
Vamos ver...







13. Box Harry Potter - J. K. Rowling - Ed. Rocco
O melhor presente. Também ganhei de formatura e estou mega feliz. Agora vou ter que reler a série, rsrsrsrs, e achar um espacinho no meu quarto <3 <3 <3






Muitos livros, não? Só tem coisa boa e linda!!!! Já leram alguns desses?
Carol Trigo!!!

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Não Fuja do Vilarejo


"Pela sua contagem, saiu de casa há sessenta e um dias, mas é possível que esteja errado. Não acredita ter suportado tanto tempo. Sabe que desmaiou em alguns momentos durante a jornada; a fome e a sede o convidam a se render. A sanidade foi perdida pelo caminho, enterrada sob a grossa camada de gelo que cresce a cada nevasca."

O que dizer de Raphael Montes? Talentoso, criativo, macabro? Acho que me faltaria adjetivos. E "O Vilarejo", da Editora Suma de Letras, ele se superou. Tive o prazer de conhecê-lo numa noite de autógrafos (lançamento desse livro), na Livraria Cultura da Avenida Paulista, e é uma grande figura. Tão genial quanto seus livros.
Já tinha me apaixonado antes por "Suicidas", que de tão bom virou peça teatral - Roleta Russa! E agora esta grata surpresa dos contos arrepiante de "O Vilarejo", que traz histórias arrepiantes dos nossos maiores demônios (luxúria, ira, ganância...), de um vilarejo que sumiu do mapa, se perdeu no passado, mas que permaneceu registrado em um caderno com ilustrações macabras; e por falar em ilustrações, o livro conta com as ilustrações do talentoso Marcelo Damm, que por sinal, estão de perder o sono, muito pertinente com o enredo. Uma dupla que foi muito feliz.
Os contos podem ser lidos aleatoriamente, da maneira que o leitor preferir - eu primeiramente li na sequencia - agora vou tentar de outras formas para ver se tenho uma outra perspectiva do enredo. Conto para vocês num outro momento!
É uma leitura bem rápida, mas deliciosamente assustadora!

Cláudia Trigo

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Scarpetta e o Post Mortem

"Era desnecessário dar mais detalhes. Assim que tirei o fone do gancho reconheci a voz do sargento Marino e entendi tudo. Creio que já sabia, desde o momento em que o telefone tocou. As pessoas que acreditam em lobisomem temem a lua cheia. Eu sentia pavor do período entre meia-noite e três da manhã, quando a sexta-feira se transforma em sábado e a cidade está inconsciente."

Meu primeiro livro da Patricia Cornwell, "Post Mortem", Editora Paralela, fazia alguns anos que estava parado na estante. Já tinha ouvido inúmeras recomendações dele, mas acabava ficando sempre para depois.
Acabei separando-o para um desafio que começamos no começo de 2015 (Desafio Literário - Skoob), e aqui estamos, na reta final.
"Post Mortem" é um daqueles livros que você começa e fica difícil parar. Ele tem ritmo, tem tensão, tem fim inusitado. Ele é o primeiro da série Scarpetta - já comprei os dois seguintes: "Corpo de Delito" e "Restos Mortais". 
O livro conta a história de um assassino metódico, disciplinado, desumano: mata por prazer. As pistas até ele se perdem pelas ruas.
A dra. Kay Scarpetta, médica-legista, examina as vítimas, mulheres que não podem lhe dizer nada a não ser pelos vestígios que trazem no corpo. E no corpo delas há um brilho produzido por alguma substância química. Ela precisa descobrir logo, se quiser evitar a próxima vítima. E precisa aprender a conviver com o fato de que, apesar de usar em suas autópsias os recursos mais avançados da ciência e da tecnologia, esse aparato se destina a desvendar mentes tão perturbadas quanto impenetráveis.
Em outro plano, precisa ainda lidar com a hipótese de que alguém muito próximo quer destruir sua carreira e está sabotando a investigação dos crimes.
É uma boa história para quem quer ler um thriller complexo, cheio de caminhos sinuosos.
Não deveria ter ficado tanto tempo na minha estante esperando!
Mas agora que foi lido, os outros da coleção NÃO ficarão tanto tempo esperando. CERTEZA!
Se ainda não conhecem, vale a pena. Patricia Cornwell escreve adoravelmente bem, prende, envolve!

Cláu Trigo

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Mais Do Que Um Bom Suspense, Uma Perfeita Crítica!


Stigmata, de 1999 (Diretor: Rupert Wainwright; Atores: Gabriel Byrne, Patricia Arquette), é muito mais do que um bom filme de suspense, ele é uma feroz crítica à Igreja e seus representantes.
Não importa se é cristão, judeu, muçulmano, budista ou hinduísta. Se acredita ou não em Deus. Tanto esse filme quanto a Salmo 21, que assistimos alguns meses atrás, criticam alguns representantes que usam de forma errada a religião ou o nome de Deus
São filmes com uma diferença de onze anos, mas que tem o mesmo objetivo, e que infelizmente, se encaixam em qualquer época - por esse lado, percebemos que o tempo passa, mas que pensamentos arcaicos continuam os mesmos!
Padres, cardeais e bispos não deveriam se utilizar de crenças que milhares de pessoas acreditam fielmente e que realmente  as ajudam a sobreviverem para ganhar com a boa fé de seus cristãos, para passarem mensagens totalmente contrárias em nome de seus próprios interesses pessoais.
Indo um pouco mais profundo, porém mudando um pouco de assunto, tocarei num ponto que me chamou muita a minha atenção: a cor vermelha representada.
Vários filmes usam uma determinada cor para representar algo ou passar uma mensagem. Entre eles A Lista de Schindler, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain e O Sexto Sentido. 
Em Stigmata, quase todas as cenas, senão em todas, a cor vermelha aparece de algum modo, principalmente nas cenas da personagem de Patricia Arquette e do Vaticano.
Vermelho é usado na maioria das vezes para representar desejo, amor, por ser uma cor quente. Mas neste caso acho que vai um pouco além, até porque não faz tanto sentido ser usado com esses propósitos.
Para a Igreja o vermelho é usado no Domingo de ramos e na Sexta-feira Santa; no domingo de Pentecostes, nas celebrações da Paixão do Senhor, nas festas dos Apóstolos e Evangelistas (com exceção de São João), e nas celebrações dos Santos Mártires. Simboliza as línguas de fogo em Pentecostes e o sangue derramado por Cristo e pelos mártires, além de indicar a caridade inflamante. Não sei realmente qual o motivo, se é esse ou algum outro. Se alguém souber, me socorram!
Procurei bastante para ver se alguém tinha falado sobre esse tema e, especificamente, esse filme, porém não achei muita coisa. O melhor que achei foi de um site chamado Symbolon, que explica um pouco mais o filme e fala bem rapidamente sobre isso. E como não não conheço muito sobre o assunto, não poderei ir mais profundo do que isso. Mas se alguém tiver uma explicação ou uma suposição, comentem aí embaixo que ficarei muito feliz em ler.
É dessas coisas que o olhar de estrangeiro consiste. É ter um olhar diferenciado, fugindo do convencional, do cotidiano, do óbvio.
Então fica a dica: para quem quer ver um bom filme de suspense, vale a pena os dois filmes citados anteriormente. Para quem quiser um olhar mais aprofundado, mais crítico, e disposição para loucura tentando achar explicações e respostas, então são novamente boas dicas.
Digam o que acharam e já tinham reparado nesses detalhes. E alguém já assistiu o filme Samo 21? É MUITO BOM!

Até a próxima e bom filme!
Carol Trigo!!!

sábado, 5 de dezembro de 2015

BookHaul - Novembro/2015


O ano está acabando, porém o número de livros continua a crescer aqui em casa...
Esse mês focamos mais em autores um pouco desconhecidos (talvez?!), claro que com algumas exceções, como vocês verão agora.

1. Sal - Leticia Wierzchowski - Ed. Intrínseca
Esse nasceu de uma promoção da Submarino (ei, Submarino, e o nosso "kit de agradecimento" que ainda não recebemos?). Estamos bastante otimistas que valeu a pena.








2. Holocausto Brasileiro - Daniela Arbex - Geração Editorial
Não é muito comum comprarmos livros-reportagens, apesar de termos vários. No entanto, esse pareceu super interessante, mas só compramos ele físico  (em uma super promoção, de novo, da Submarino!) depois de ter lido em e-book. E, como já esperávamos, é ótimo!
Se vocês quiserem resenha dele, podemos fazer. É só pedirem.





3. Um Hotel Na Esquina do Tempo - Jamie Ford - Ed. Agir
Como vocês irão perceber, esse mês, todas as compras foram feitas em promoções da Submarino... E esse foi mais um que parece ser muito bom e estava muito barato!








4. As Memórias do Livro - Geraldine Brooks - Ed. Ediouro
Para quem gosta de livros e histórias de guerras, vão gostar desse livro. Precisa de mais alguma coisa?








5. Cartas de Amor Aos Mortos - Ava Dellaira - Ed. Seguinte
Esse talvez seja o livro mais conhecido desse BookHaul, e já ouvimos muitas críticas positivas e negativas. Já falaram que lembra As Vantagens de Ser Invisível, que nós adoramos... Só lendo para sabermos!
Vocês gostaram?







6. O Guardião de Memórias - Kim Edwards - Ed. Arqueiro
Mais um drama para a nossa lista PEQUENA de leitura...









7. A Casa Assombrada - John Boyne - Ed. Cia da Letras
Talvez não seja o livro mais conhecido do autor, porém, é o mais diferente do que normalmente ele escreve, e teve boas críticas. Agora é ver se ele sabe escrever terror/suspense tão bem quanto livros de drama/guerra (Ex.: O Menino do Pijama Listrado).









Perceberam que esse mês não compramos nenhum policial, né? ISSO É SURPREENDENTE!!
Se já leram algum desses, deixem seu comentário falando se gostou ou não ;)

Carol e Cláudia Trigo

sábado, 14 de novembro de 2015

Melhores Livros Nacionais


Não poderíamos terminar o ano sem citar o que tem de melhor na "Terrinha". O ano está se findando e vamos fecha-lo com chave de ouro. Fizemos "inúmeras" viagens esse ano com grandes escritores nacionais. Alguns nos deixaram fascinadas, outros nem tanto, mas como diz o velho ditado: 'toda viagem é válida desde que deixemos nossa zona de conforto'.
Então é isso!!! #FicaDica

Carol

O Artífice - Tony Ferraz - Universo dos Livros
Em dias de tempestade, um assassino que mata através de armadilhas extremamente elaboradas vem enganando a polícia londrina numa série de crimes inusitados. Haryel Kitten é um detetive inteligente, prático e muito dedicado ao seu trabalho, que agora tem o desafio de desvendar o que há por trás desse mistério. Mas será que há forças sobrenaturais agindo? Detalhes dos crimes permanecem obscuros, o serial killer, apelidado pela mídia de Artífice, faz com que Haryel trilhe um caminho sem volta. Quanto mais ele se aprofunda na investigação, menos compreende o que está acontecendo.
O detetive fará tudo que estiver ao seu alcance para montar esse quebra-cabeça, mesmo que sua própria vida corra perigo...


Entre Outubros - Rebecca Dellape - Novo Século
Após conseguir escapar  heroicamente de um trágico sequestro em um dia de outubro – nada menos do que seu décimo sexto aniversário – Holly Armstrong se depara com um mundo totalmente diferente. Seu olhar, sua mente e seus valores já não são mais os mesmos. Agora, é como se houvesse um abismo entre a garota comum da cidade grande e a jovem amaldiçoada pelo trauma. Contudo, tal ferida foi o pontapé para sua vida mudar drasticamente.
Motivada pela sua personalidade curiosa e vítima de sua própria fragilidade emocional, Holly parte em uma jornada solitária para tentar descobrir os reais precedentes do evento que mudou sua vida definitivamente.



Presságio - Leonardo Barros - Novo Século
Alice tem 26 anos e, desde a adolescência, é atormentada por presságios. Desacreditada por psiquiatras, ela é considerada psicótica, até que uma de suas visões a possibilita desvendar um misterioso homicídio. A polícia atribui a autoria do crime ao Beato Judas, um assassino serial de freiras, mas a descrição do suspeito não se parece em nada com o homem que ela viu em sua premonição. Agora, Alice terá de correr contra o tempo para provar que não é louca e para evitar que o assassino faça uma nova vítima. Suspense, misticismo e sensualidade se misturam neste fantástico thriller policial que parece ter a capacidade sobrenatural de manter seus leitores alucinados da primeira à última página.


Cláudia

Suicidas - Raphael Montes - Benvirá
Um porão, nove jovens e uma Magnum 608. O que poderia ter levado universitários da elite carioca – e aparentemente sem problemas – a participarem de uma roleta-russa?
Um ano depois do trágico evento, que terminou de forma violenta e bizarramente misteriosa, uma nova pista, até então mantida em segredo pela polícia, ilumina o nebuloso caso. Sob o comando da delegada Diana Guimarães, as mães desses jovens são reunidas para tentar entender o que realmente aconteceu, e os motivos que levaram seus filhos a cometerem suicídio.



Holocausto Brasileiro - Daniela Arbex - Geração Editorial
Neste livro-reportagem, Daniela Arbex resgata do esquecimento um dos capítulos mais macabros da nossa história: a barbárie e a desumanidade praticadas, durante a maior parte do século XX, no maior hospício do Brasil, conhecido por Colônia, situado na cidade mineira de Barbacena. Pelo menos 60 mil pessoas morreram entre os muros da Colônia. Em sua maioria, haviam sido internadas à força. Cerca de 70% não tinham diagnóstico de doença mental. Eram epiléticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, gente que se rebelava ou que se tornara incômoda para alguém com mais poder. Pelo menos 33 eram crianças.



As Melhores Histórias do Corrosivo Coletivo - Bruno Machado - Navilouca
Marginais, adúlteros, ninfetas, filosofia de boteco e feitiçaria de almanaque são temas que procuram permear os contos do Corrosivo Coletivo. Narrativas ácidas, sobre personagens de moral carcomida, em um cenário urbano. Os autores pretendem apresentar seu testemunho sobre a brutalidade, a banalidade e o misticismo da classe média que não emergiu






 
É isso então, se não sabem ainda o que pedir para o Papai-Noel, são dicas incríveis e que valem o resultado final. Saímos da mesmice e damos créditos aos que merecem de fato. Tem dicas para todo tipo de leitor, e qualquer uma delas vale MUITO a pena. E também pode cair muito bem como presentes de Natal, amigo secreto e afins.

Boa diversão!

Carol e Cláu Trigo

sábado, 7 de novembro de 2015

BookHaul - Outubro/2015


Esse mês teve pouquíssimos livros, o que já é meio estranho. Talvez tenha sido o menor bookhaul do ano. Porém só tem mestre nesta lista! 'Bora' ao que interessa.

1. Lua de Mel - James Patterson - Editora Arqueiro
Apesar de nenhuma das duas ainda ter lido algum livro do James Patterson, sempre compramos os livros dele, porque, na maioria das vezes, está em promoção. Eita palavrinha que tanto amamos!







2. Joyland - Stephen King - Suma de Letras
Precisávamos de MAIS um livro do mestre Stephen King! E a editora fez tanto marketing, com tantos comentários positivos, que decidimos comprar. Um livro a mais dele nunca é ruim.







3. Mentes Sombrias - Sergio Pereira Couto - Universo dos Livros
Já tínhamos o outro do autor, Mentes Criminosas, apesar de não termos conseguido ainda lê-lo - é!! as nossas listas estão GIGANTE! -, decidimos comprar mais esse, novamente, estava bem barato ( ultimamente só assim para comprarmos livros) e parece ser muito bom!
E não podemos esquecer de citarmos o outro motivo, mais decisivo ainda: A CAPA. Vejam só, elas estão numa biblioteca, rsrsrs!!!





4. A Interpretação do Assassinato - Jed Rubenfeld - Editora Cia. das Letras
Perceberam que estamos nessa vibe de livros policiais, não?! E esse parece ser o melhor livro: mistura Freud, Jung, assassinato, psicanálise e Shakespeare! Não podia ser melhor.







5. Madame Bovary - Gustave Flaubert - Editora Nova Fronteira
Vixi, não tínhamos percebido o quanto tava bom esse BookHaul...
Por incrível que pareça, nós ainda não tínhamos esse clássico da literatura. Mas quem disse que não podemos ter?
Melhor ainda: é capa dura!







6. O Colecionador de Ossos - Jeffery Deaver - Editora BestBolso
Mais um policial. E esse nós duas amamos! Apesar de não termos lido, adoramos o filme. Aquele com simplesmente Denzel Washington e Angelina Jolie! Não precisaria de mais, porém além disso, o filme é perfeito!
E imagino que o livro seja melhor ainda.







Esse mês estava curtinho, mas só teve livros bons.
Se alguém já leu algum desses, digam aqui o que acharam, é sempre muito importante para nós.

Carol e Cláudia!

terça-feira, 3 de novembro de 2015

O Demonologista, Exorcizem Ele, Pelo Amor de Deus


"Mas um segundo antes, antes que eu esteja de volta ao meu quarto com a meia perdida na mão, eu me dou conta de que estava chamando meu pai da mesma maneira que ele estava me chamando. Dizendo a mesma coisa o tempo todo. Não palavras que saem da minha boca atravessando o ar, mas que saem do meu coração atravessando a terra, para que nós dois possamos ouvi-las."

Comecei esse livro cheia de expectativas, afinal, só tinha lido coisas boas a respeito. "O Demonologista", de Andrew Pyper, Editora DarkSide, não atendeu ao alto grau de qualidade na qual esperava encontrar, talvez por estar ansiosa demais, sei lá.
O livro é bem legal, mas ouvi o pessoal comentando MUITO mais do que isso, então não esperava SÓ um livro legal, esperava ser surpreendida, consumida, arrasada, só que não.
O problema de ouvir excelentes comentários acaba sendo isso: decepção, e não é porque a leitura foi ruim, mas porque criamos expectativas que não são correspondidas no final, e isso é bem chato, porque meu ponto de vista poderia ter sido outro se a realidade não tivesse sido tão "gigantemente" aumentada. Talvez só tivesse coisas boas para falar, mas não vai ser a história de hoje.
O livro se baseia muito nos escritos de John Milton, "Paraíso Perdido", no qual o personagem David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, se baseia nos estudos da figura literária do Diabo. Para David, o Anjo Caído é apenas um ser mitológico. Ao aceitar um convite estranho para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza, ele começa a ter motivos para mudar de opinião. O que seria apenas uma boa desculpa para tirar férias na Itália com Tess, sua filha de 12 anos, se transforma em uma jornada assustadora aos recantos mais sombrios da alma. Enquanto corre contra o tempo, David precisa decifrar pistas escondidas no clássico "Paraíso Perdido", e usar tudo o que aprendeu para enfrentar a Grande Besta e salva sua filha do inferno.
O livro ganhou uma série de prêmios, e foi finalista de outros vários.
É aí que a gente concorda que um bom marketing faz toda diferença. E o boca a boca ganha uma extensão MUITO maior do que deveria.
Vi Milton e seu "Paraíso Perdido" na época da Faculdade e achei legal as inúmeras passagens que ele usa. Mas o livro é praticamente isso. Ele cria momentos que logo você pensa, "Ah, agora vai...", mas não. A impressão que fica é que o autor não consegue sustentar a história, e toda aquela interrogação fica perdida num desmembramento vago, frouxo, inconsistente. Talvez ele tivesse mais coisas na cabeça e não tenha conseguido transforma-las em história, sei lá. Só posso dizer que não rolou.
Achei a história BEM mediana, faltou emoção. Acho que precisavam exorcizar os demônios do autor para ver se ele conseguia melhorar a história. E o fim, ah, o fim... Melhor deixar pra lá.
Boa leitura!

Cláu Trigo

sábado, 31 de outubro de 2015

Charlotte Sometimes


"...assim como Júlio está consciente agora, mesmo que não se lembre de como foi parar ali, naquele lugar escuro, úmido e apertado, não o lugar escuro, úmido e apertado dentro do qual ele queria estar naquele momento, mas um lugar envolto em brumas, imagens ligeiramente distorcidas, como se vistas através de um vidro coberto por uma fina camada de condensação, ou através de olhos cansados e pesados de fumo, bebida ou ácido ou quem sabe até as três coisas juntas, não seria impossível, e em todo caso seria provavelmente mais viável que um sonho, enfim, poderia também ser um sonho, mas isso se ele não tivesse certeza de que está tão desperto, coisa que a latinha de cerveja que praticamente congela sua mão não o deixa esquecer e nisso é muito mais eficaz do que qualquer investigação filosófica a respeito da natureza da realidade, ou do que qualquer livro de Philip K. Dick."

Para fechar com chave de ouro o Mês do Terror, nada melhor que um conto da nossa parceira Editora Draco, Charlotte Sometimes, do Fábio Fernandes que foi uma grata surpresa.
Baixei ele gratuitamente no Kobo e tava com um pé atrás por se tratar de um conto de ficção científica, mas me dei bem. Tudo começa mais ou menos assim: homem, uma noite, um bar. Mas, o que ele faz ali? Entre os vapores de gelo seco e as névoas das amnésia, Júlio busca uma resposta para tantas dúvidas que o assombram. Mas ele pode não gostar do que  vai encontrar entre os escombros da sua memória - ou será a memória de outra pessoa?
O conto é uma viagem psicológica, cheio de interrogações, entre linhas, dúvidas.
Cabe aqui muitas incertezas sobre o que é real e o que é fruto de nossa imaginação. Até onde conseguimos enxergar e o que não nos diz respeito. Paranoia?  Sobrenatural? Quem sabe...
Precisa ser lido e relido.
Pra quem quer uma noite estranha, recomendo!
Esse conto faz parte do livro "Contos do Dragão",  uma história de arrepiar!!!

Cláu Trigo

Grande Erro - Carrie, A Estranha


" - Mas quase ninguém descobre que seus atos, na verdade, magoam realmente os outros! Ninguém fica melhor, as pessoas só ficam mais espertas. Quando fica mais esperto, você não pára de arrancar asa de mosca, só imagina um motivo melhor para fazer isso. Muita gente está dizendo que tem pena de Carrie White, as meninas principalmente, e isso é uma piada, mas garanto que nenhuma delas sabe o que é ser Carrie White cada segundo de cada dia. E, no fundo, estão pouco ligando."

Primeira vez que leio o mestre, Stephen King. E, talvez, o meu maior erro tenha sido ler um livro a qual já tinha assistido o filme. Eu já não achava essa história tudo isso, e por isso acabou não sendo "O" livro.
Carrie, A Estranha, do perfeito Stephen King, editora Planeta DeAgostini, é um dos livros mais conhecidos do maior mestre do terror.
Quando comecei a ler já tinha assistido o remake do filme, aquele com a Julianne Moore e a Chloë Grace Moretz.
Creio eu que a maioria já conhece o enredo, mas vou dar uma resumida rápida.
Desde o começo já conhecemos Carrie White, uma adolescente que realmente conhece o inferno. Com uma mãe totalmente louca, pirada, e "colegas" - que nem podemos chamar assim, pois com certeza, eles são uns demônios. Sua vida é uma droga! Como já disse a mãe é uma crente fiel da Bíblia e tem uma cabeça bem fechada.
Por Carrie ser considerada estranha pelos outros, principalmente no colégio, ao ficar menstruada e não saber o que é aquilo, acha que está tendo uma hemorragia, as outras garotas começam a dar gargalhada da cara dela e a jogar absorventes nela. Uma coisa horrível!
A partir disso, a telecinesia começa a aparecer e isso vai "tomando" a cabeça dela. Ela vai ter atos bem maldosos com todos que estão à sua volta.
Consigo entender o porque dela usar o seu poder daquela forma. Ela passou por poucas e boas, e é triste saber que realmente existem casos parecidos na vida real. Porque uma coisa é um livro de ficção, outra é fazerem isso com alguém e achar que está correto.
Todos, sem exceção, não tinham nenhum direito, mesmo com todas as estranhezas que Carrie tinha. Mesmo Sue, que parece estar mudando de pensamento não é tão boazinha assim, pois na hora de jogar os absorventes ela estava lá... Talvez ela seja um pouquinho menos ruim do que os outros, mas boa, nunca.
Porém, não achei tudo isso. Foi como disse no começo do texto. Se fosse um outro livro, no qual não conhecesse a história, com certeza iria gostar mais. Se fosse até O Iluminado, eu com certeza gostaria mais, principalmente porque AMO aquele filme (e sei que o livro é bem diferente)!
Contudo, o filme  de Carrie é idêntico ao livro, e é até difícil algumas vezes separar um do outro na cabeça. Agora só preciso assistir o original, o mais antigo.
Então, pela primeira vez acabei fazendo uma escolha errada, mas isso não muda meu amor pelo Stephen King. Ainda adoro ele e sem dúvidas vou dar uma nova oportunidade para os livros dele.

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

Sorteio: Kit de Terror - ENCERRADO


ANÚNCIO NO FACEBOOK
Para o Mês do Terror, nada melhor do que um super kit com 3 livros para um único ganhador!
Nele vem:
  • 1 livro o Exorcista
  • 1 livro A Volta do Parafuso (Ed. Bilíngue)
  • 1 livro A Estrada da Noite
a Rafflecopter giveaway

Basta seguir todas as regras certinhos.
E boa sorte à todos!

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Uma História Peculiar Para Um Olhar Singular


"Finalmente cheguei a dois aposentos sem paredes inteiras, nos quais havia crescido uma pequena floresta de arbustos e diminutas árvores retorcidas. Parei diante de uma brisa repentina e me perguntei o que poderia ter causado tamanho estrago, e comecei a ter a sensação de que algo horrível acontecera ali. Não conseguia encaixar as histórias idílicas de meu avô naquela casa de pesadelo, nem a ideia de que encontrara refúgio naquele lugar impregnado com a sensação de desastre. Restava mais a explorar, mas de repente aquilo me pareceu perda de tempo. Era impossível que alguém ainda pudesse viver ali, nem mesmo o mais misantropo dos reclusos. Deixei a casa sentido que estava mais longe que nunca de verdade. "

Fiquei de cara, encantada com a capa do livro, "O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares", de Ransom Riggs, Editora Leya. E não tive dúvidas: era urgente que ele se juntasse aos seus novos irmãos em minha estante.
O livro, como o nome, é bastante peculiar, interessante. Tem umas sacadas boas, momentos tensos e outros descontraídos. Não seria o tipo de literatura que teria comprado se a capa não fosse tão bonita. Não sou uma verdadeira fã de livros fantasias, mas devo me render a este. Foi uma experiência nova e, devo admitir, muito legal. Gostei do novo!
A história começa com uma terrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até um ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do Orfanato são muito mais que simplesmente peculiares...
Tudo está à espera para ser descoberto no Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares. O roteiro é muito bem construído, o livro é ilustrado com fotografias da época. A história tem continuação num segundo volume que ainda não tem data para chegar na Terrinha.
Para os cinéfilos de plantão, o livro vai ganhar adaptação para a telona previsto para o Natal de 2016, e vai contar com a direção de, nada menos, que o incrível Tim Burton, e grande elenco. No papel de Jacob, Asa Butterfield, - é pessoas, o nosso menino do Pijama Listrado cresceu! - , e como Srta. Peregrine, Eva Green, (Sombras da Noite e A Bússola de Ouro).
Então, é isso...
Agora é só ficar no aguardo e para quem não leu ainda, apressem-se para ler antes do filme. Conselho de quem não gosta de fantasia e se encantou com a história.

Cláu Trigo!

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

O Silêncio dos Sentimentos


"Ela tem um modo econômico de ser - física e emocionalmente - que sempre o atraiu. Seu autocontrole raramente a abandona. É uma mulher que tem domínio de qualquer situação. E mesmo depois de tantos anos, ele sente que mal a conhece, que não consegue entender por completo o que há sob a superfície. Como uma força em sua vida, Jodi é refinada, uma virtuose que o trabalha artisticamente, enquanto Natasha se liga diretamente a seu cérebro primitivo. Se Jodi é para cima, Natasha é para baixo. Se Jodi é um suave aclive, Natasha é uma queda de dez andares."

Ouvi inúmeras criticas ruins sobre o livro, e sabe quando bate aquele arrependimento? E agora, será que consegui entre tantos, escolher o livro errado?
Pois foi esse sentimento que despertou em mim quando li algumas postagens sobre "A Mulher Silenciosa", de A. S. A. Harrison, Editora Intrínseca.
Com certeza, não é "O" livro, mas tem seus méritos. Achei a história bem construída - NÃO! dá para comparar com Garota Exemplar, por favor!
Acho que quando você compara histórias, acaba sacrificando uma delas. As pessoas chegam cheias de expectativas por acharem que vão ter um déjà-vu de uma outra história, e acaba comprometendo todo o contexto do livro, e este perde seu valor!
Esquecem! NÃO é Garota Exemplar. Por sinal, são personagens bem distintas. Não irei entrar em detalhes para não dar spoiler, mas nem sempre certas atitudes querem atingir o mesmo ideal. Você ter certas semelhanças com alguém não significa que suas intenções sejam iguais as delas.
Poderia entrar aqui na desconstrução das duas personagens (Amy Dunne - Garota Exemplar e Jodi Brett - A Mulher Silenciosa) e fazer uma análise profunda de cada personalidade, de cada atitude e seus por quês, mas esse não é o caso aqui. Não por hora (mas seria bem legal!).
Aqui, agora, vamos esquecer Garota Exemplar e resenhar A Mulher Silenciosa, que vai nos contar a história de Jodi e Todd, um casal que levam uma vida aparentemente invejável. Empreiteiro bem-sucedido, Todd pode arcar com alguns luxos, como um belo apartamento com uma vista deslumbrante para um lago, um Porsche (dele) e um Audi (dela) na garagem, enquanto Jodi, que é psicoterapeuta, atende apenas dois clientes por dia e tem tempo de sobra para sessões de pilates, as aulas de arranjos florais e o preparo das refeições gourmet de que tanto gosta. Não é uma vida muito emocionante, mas, depois de terem se conhecido por acaso em um acidente de trânsito vinte anos antes, eles continuam juntos, ainda que não oficialmente casados.
Por trás dessa fachada de tranquilidade, porém, o relacionamento dos dois está prestes a ruir. Todd trai a esposa com frequência, e Jodi sabe disso. E ele sabe que ela sabe. Ela é a esposa silenciosa, preparada para tolerar as traições do marido com o intuito de manter as aparências. Até que o último caso de Todd - com a filha de seu melhor amigo - torna-se mais que uma pequena aventura e ele anuncia que está saindo de casa.
A autora retrata de maneira pungente a desintegração de um casamento e todas as suas consequências e frustrações. A angústia do que estar por vir e a negação da situação.
É uma análise profunda de um "casamento" e tudo que vem com esse contrato.
Recomendo!

Cláu Trigo

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Um Bom Filme Para Tomar Alguns Sustos - A Possessão de Deborah Logan


Pro Mês do Terror, não podia faltar um filme de terror. E hoje trazemos "A Possessão de Deborah Logan" (2014) do diretor Adam Robitel.
O enredo consiste basicamente na história de uma estudante de medicina que está fazendo um trabalho e vai estudar uma senhora, Deborah Logan, que tem Mal de Alzheimer.
O filme é todo feito no estilo Found-Footage (filmes feitos por "câmera caseiras"). A partir disso começamos a ver sintomas que 'talvez' não sejam só por causa do Alzheimer...
O filme em si não é ruim, porém não é dos melhores que já vimos. Ele tem seus pontos positivos e negativos.
Não conhecíamos o elenco, mas teve boas atuações nesse meio. Como por exemplo, a atriz Jil Larson,(Deborah Logan). Ela estava simplesmente magnífica (palavra estranha para usar nesse contexto...). A transformação que ela vai tendo durante o filme por causa de seus demônios é absurdamente brilhante, de dar medo (como eu)!
Outro ponto forte do elenco é a atriz Anne Elizabeth Ramsay, que faz a filha de Deborah, Sarah Logan. A loucura que ela passa por causa de sua mãe transparece de um jeito formidável. De arrepiar! Até parecia que eram mãe e filha na vida real.
Mas, como vários filmes sobre o assunto, também teve vários pontos fracos...
Infelizmente, em contradição às atuações já citas anteriormente, o resto do elenco foi bem fraquinho. A personagem Mia Medina foi interpretada por Michelle Ang, que deveria ser de muita importância para a história, mas que fracassou. Aparece muito pouco e as vezes que aparece não engana. E sem contar a sua equipe técnica, que é totalmente sem expressão, sonso. Não conseguem convencer.
Agora por parte de enredo, tem algumas coisas que pecam. A explicação para a tal possessão é aceita, mas tem seus erros. Na minha concepção, a situação não seria para uma possessão! Além de que algumas explicações ficam meio em aberto.
Por fim, mas não menos importante: os tão conhecidos clichês! Porque esse pessoal NUNCA acende as luzes? Porque eles não fogem dali? Por que não deixam de filmar em situações extremas? Ficam quase que "dando sopa".
Antes de finalizar, quero citar outro filme bem parecido com esse que também assistimos recentemente: O Misterioso Caso de Judith Winstead. Apesar de não dar tanto susto, nem tem uma atmosfera tão temerosa por nós, meros mortais (será?), considero uma história melhor, mais equilibrada.
Quer assistir um filme para se divertir e tomar alguns sustos? Ele está ai.
Quer um filme para analisar a sua complexidade? Melhor procurar outro.

Nos digam se já assistiram e o que acharam!
Que filmes recomendam para a gente neste final do Mês do Terror?

Carol Trigo!
Até a próxima e durmam com os demoninhos (lindos, rsrs)!!!

sábado, 17 de outubro de 2015

E O Pandemônio Está Lançado...


Outubro chegou e trás consigo os medos mais íntimos e secretos que guardamos numa caixinha no fundo do nada... Isso! porque no fundo das trevas é onde o nada se esconde.
Sempre que nossos demônios vêm à tona, fantasmas invadem nosso sono e fazem das noites quentes o verdadeiro inferno da alma - literalmente!
Então, com demônios ou sem eles, bem vindos ao maior pesadelo do ser humano. Que todos os nossos fantasmas se confraternizem nesse mês e voltem para onde nunca deveriam ter saído.

video

Carol e Cláudia!

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Os Três - Verdade ou Imaginação?


"Ele perguntou se podia contatar meus amigos e minha família, 'para um apoio a mais'. Pensei em ligar para o Gerry, mas mudei de ideia. Stephen, Shelly e as meninas eram minha família. Eu tinha amigos, mas não eram realmente do tipo com que você pode contar numa crise, se bem que mais tarde todos tentaram se aproximar, ansiosos por ter seus quinze minutos de fama. Parece amargo, eu sei, mas a gente descobre quem são os amigos de verdade quando a vida desmorona."

Provavelmente essa foi a resenha mais difícil que já fiz e vai ficar com essa posição por muito tempo. Como falar de Os Três, da Sarah Lotz (sul-africana!), Editora Arqueiro?!
No dia 12 de janeiro de 2012, quatro acidentes de aviões ocorrem em diferentes continentes. Centenas de pessoas morreram, mas por incrível que pareça três crianças sobreviveram sem nenhum arranhão (no Japão, na África e nos EUA)!
A partir disso aparecem dezenas de teorias da conspiração: desde alienígenas à demônios, fim do mundo até terrorismo - a autora deixa para nós decidirmos e escolhermos o que queremos.
A história vai mudando constantemente de teorias e vai confundindo um pouco, principalmente eu, que quase não sou confusa...
O que me surpreendeu não foi só a escrita, que é muito bem feita, mas a qualidade das críticas que a autora consegue fazer à sociedade, e faz isso muito bem e discretamente. Enumerei várias delas e vou citar algumas aqui (as que mais gostei e achei bem legal, além de concordar com elas):

  • Igreja (melhor crítica!!!!) - crítica o que a Igreja faz e toda a sua luxúria;
  • Mídia (muito boa também) - uma única palavra: sensacionalista. Ponto!;
  • EUA (situação que pouco falam) - tudo ser culpa dos outros ou sempre ser terrorismo;
  • Terceiro Mundo;
  • Internet - onde todos acham que é livre para fazer e falar o que quiser, e o alcance que ela tem.
Entre vários outros, mas se continuar não acabo hoje.
Adorei esse senso crítico da autora à vários temas com um livro só. E no final ela te deixa pensando por várias horas, sem saber no que acreditar. 
Antes de terminar queria falar de mais um detalhe que me impressionou muito e novamente me deixou muito confusa. O livro todo é escrito como se fosse algo que realmente existiu, com matérias de jornais, e-mails, conversas pela internet, entre vários outros artigos. A gente nunca sabe se isso aconteceu realmente ou é tudo da cabeça da autora...
A capa é lindíssima (além de fazer super sentido) e suas folhas são todas pretas. E vou ser sincera,: foi por causa disso que comprei!
Não vou falar mais para não acabar com a história e acabar dando spoiler. Só digo uma coisa: leiam! Vale muitíssimo a pena.

Vou deixar o link do book trailer que ficou demais!

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Um Livro... Extraordinário


"Sabe o que eu acho? A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga dessa forma."

Como o nome já diz, o livro é "Extraordinário!", de R. J. Palacio, Editora Intrínseca. 
Eu comecei a ler pensando que seria um livro normal, como qualquer outro. 
Bem, eu estava errado. 
O livro é muito bom, melhor do que qualquer outro que eu tenha lido até hoje. 
A história se trata de um garoto chamado August, que tem uma síndrome genética que deixa ele com  uma deformidade facial, tendo que passar por mais de 20 cirurgias. Ele nunca foi para uma escola de verdade, mas isso muda quando seus pais resolvem matricula-lo numa.

"É tão estranho como uma noite pode ser a pior da sua vida, mas, para o restante das pessoas, ser apenas uma noite normal." 

Esse livro te faz pensar em tudo de um jeito diferente, fazendo você questionar a visão de cada pessoa sobre August. Ele faz você sentir uma emoção diferente a cada capítulo, como o ódio dos bullying que ele sofre, dos olhares que são dirigidos à ele. É uma tristeza grande que nos invade - eu, por exemplo, quase chorei com a história!


"Agora, pensando bem, não sei por que fiquei tão estressado com isso. É engraçado como às vezes nos preocupamos muito com uma coisa e ela acaba não sendo nem um pouco importante." 

Por Gabriel Trigo (10 anos)

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Asylum: Na Fronteira Entre A Loucura e o Medo


"A construção era de pedra - pedras de um tom cinza escuro retiradas das montanhas impiedosas. Era uma casa destinada aos que não sabiam se cuidar sozinhos, aos que ouviam vozes, tinham pensamentos estranhos e tomavam atitudes estranhas. A função da casa era mante-los lá dentro. Os que ali entravam jamis saíam."

Excelente dica para o mês das bruxas.
"Asylum", de Madeleine Roux, Editora V&R, foi uma boa dica que segui e me dei bem!!!
Literatura Infanto Juvenil, mas cheia de situações inusitadas, leve, rápida.
Ao entrar pela primeira vez em New Hampshire College, Dan Crawford não sabe que viverá ali as cinco semanas mais aterrorizantes de sua vida.
O alojamento da faculdade está em reforma, e os alunos devem se instalar no Brookline, um edifício histórico, numa instituição de saúde desativada. Em outras palavras, um manicômio.
Quando Dan e seus novos amigos, Abby e Jordan, começam a explorar os corredores e o sótão do antigo edifício, logo descobrem que Brookline nunca foi um instituto para doentes mentais comuns: alojou tanto psicopatas quanto homicidas, sujeitos extremamente perigosos.
A presença dos três ali não é obra do mero acaso e vai trazer à tona histórias e práticas monstruosas do passado.
O livro contém ilustrações com fotografias tenebrosas de manicômios reais e cheios de mistérios. É um suspense na fronteira entre a genialidade e a loucura.

"A loucura é algo relativo. Depende muito de lado da grade em que a pessoa está".

Tem um Spin Off  do livro lançado somente no Brasil, "Scarlets", que também trás uma bela capa e conta a história de um aluno, Carl Erickson.
Já foi lançado o segundo volume por aqui também, "Sanctum", que já tá na lista para o "Papai Noel", rsrs. E a lista desse ano tá longa! Tadinho do bom velhinho...
Bom, fica a dica... 
Esse mês temos mais novidades para minhas amigas bruxas, segurem as vassouras!!!
Boa leitura.

Cláu Trigo